Política BE exige vinculação dos 11 mil professores contratados até ao final da legislatura

BE exige vinculação dos 11 mil professores contratados até ao final da legislatura

A coordenadora do BE, Catarina Martins, exigiu hoje que os 11 mil professores contratados precariamente pelas escolas todos os anos sejam vinculados até ao final da actual legislatura.
BE exige vinculação dos 11 mil professores contratados até ao final da legislatura
Miguel Baltazar
Lusa 27 de agosto de 2017 às 18:13

"Para o Bloco de Esquerda, vincular os 11 mil professores contratados de que a escola precisa tem de ser também um compromisso para o resto da legislatura. Se não é possível, ou se há dificuldade em fazer a vinculação num só ano, então temos dois anos para o fazer", disse Catarina Martins no encerramento do Fórum Socialismo 2017, a rentrée política do BE.

 

Na opinião da coordenadora do BE é fundamental "responder no tempo desta legislatura pela condição dos professores e das professoras contratadas, porque há décadas que este problema se arrasta", sendo este um dos temas que o partido vai levar para as negociações do Orçamento do Estado para 2018.

 

"No momento em que as escolas estão quase, quase a abrir, não podemos deixar de fora a causa dos professores contratados", começou Catarina Martins por dizer.

 

Está em curso, de acordo com a líder bloquista, "um programa para a regularização dos vínculos precários na administração pública", avisando que o BE está "muito atento a esse programa", porque sabe que "está atrasado e tem algumas insuficiências".

 

"Os professores não estão nesse programa, ficaram de fora porque havia um outro processo de vinculação em curso, mas é muito curto", explicou.

 

As escolas precisam todos os anos de "mais 11 mil professores do que aqueles que foram vinculados", professores que, segundo Catarina Martins, "são contratados, que são precários, mas de que as escolas precisam todos os dias".

 

"Cada dia que esses professores e essas professoras trabalham precariamente nas escolas é um dia em que os atacamos no seu trabalho, mas é também um dia em que as escolas estão precárias", lamentou.

 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 3 semanas

PORC*** RUINOSA!

10.000 só !?!?!!?
Porque não 100.000 ?!?!?!

Va*xca DESPESISTA!

E esses 11 mil professores vão fazer o quê... Há 3 semanas

Se a população estudantil está a diminuir, são desnecessários.
O Estado existe para servir o povo... não é para as elites se servirem do povo.
O dinheiro custa a ganhar, os meus impostos devem ser gastos utilmente.
Ó catarina, se queres que esses 11 mil votem no BE sustenta-os do teu bolso.

General Ciresp Há 3 semanas

Ja eram habitos dos nossos velhos:quem esta come,e quem chega atrasado chupa no dedo.Por outras palavras:MORTE A FLEXIBILIZACAO,ou em todo caso faz-se a teoria radical:mandam-se os publicos para casa ao entrarem na casa dos cinquente com reforma antecipadissima e sem cortes para dar lugar aos novos

Judas a cagar no deserto Há 3 semanas

Estes canhotos só veem direitos.

Obrigações é com os outros.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub