Política BE pede ao Governo para aprovar lei que enquadra longas carreiras contributivas

BE pede ao Governo para aprovar lei que enquadra longas carreiras contributivas

A coordenadora do Bloco de Esquerda exortou na quarta-feira à noite o Governo a cumprir a promessa de que, até final de Julho, seja aprovada a lei que enquadra as reformas das pessoas com longas carreiras contributivas.
BE pede ao Governo para aprovar lei que enquadra longas carreiras contributivas
Miguel Baltazar
Lusa 27 de julho de 2017 às 00:27

"No momento em que o mês chega ao fim, há uma garantia do Governo que não está cumprida", disse Catarina Martins, sublinhando que o Governo "prometeu que era o ano passado e adiou", tendo depois, recentemente, prometido que a lei seria aprovada em Conselho de Ministros até ao final de Julho.

 

A líder bloquista, que falava num jantar comício em Loulé, lamentou que haja pessoas que começaram a trabalhar ainda crianças, e que hoje têm 60 anos, que não conseguem reformar-se ou que só o conseguem "com cortes tamanhos na pensão" que não é possível para a sua sobrevivência".

 

Catarina Martins sublinhou que o acesso às reformas por inteiro a essa geração "é essencial porque é uma medida de justiça para com a geração mais velha e para com as gerações mais jovens", que, assim, passam também a ter mais acesso ao emprego.

 

"É essencial que o Governo respeite a expectativa das pessoas, esta enorme esperança num país mais justo, numa política mais clara e que as reformas por inteiro a quem começou a trabalhar criança sejam uma realidade rapidamente", frisou.

 

Para a coordenadora do BE trata-se de "três injustiças numa": injustiça de ter começado a trabalhar criança, injustiça para a geração mais jovem que quer ter acesso ao emprego e "a todo um país e à sua capacidade produtiva, porque estamos a obrigar a trabalhar anos demais quem devia ter direito ao descanso, porque já contribuiu tanto".

 

A líder do BE falava na quarta-feira à noite durante o jantar comício de apresentação dos candidatos autárquicos a Loulé, cuja lista ao município é encabeçada por Joaquim Sarmento Guerreiro.

 

O primeiro-ministro reiterou este mês, no debate do estado da nação, a intenção de aprovar em Julho o diploma que assegurará a justiça a quem começou a trabalhar e tem longas carreiras contributivas.

 

O novo regime de reformas antecipadas tem o objectivo de tratar de forma diferenciada as carreiras contributivas mais longas, para permitir a passagem à reforma sem qualquer penalização, desde que a pessoa tenha 60 anos ou mais. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Pedem? 27.07.2017

Oh menina. Quem manda, não pede nem exige! Ordena e prontos. Ordenem e o costa só com o medo de cair da cadeira c&ga-se e dá tudo. Vá lá, não tenham medo. Mostrem que é o chefe. Quem vier a trás e tiver que "roubar" para pagar os vossos caprichos, que refile.

Luis 27.07.2017

Estas songamongas, mais o sacristão do Louçã andam sempre a ajudar à missa. Depois de darem a aposentação à GNR, à PSP e aos militares aos 60 anos (aos 56 vão para casa com o vencimento e a isso chama-se passar à reserva) agora andam com este xi xi có có caganita frita das longas Carreiras contributivas. Se fossem meter as longas carreiras contributivas num sítio que eu cá sei. É a reforma aos 60 e já! Ou agora o já passou a ser "quando Deus quiser"?

Anónimo 27.07.2017

As promessas vão começar a chegar às resmas com o aproximar das eleições, sempre à desesperados que caiem com o impudor desta canalha.

pub