Política BE quer legislação sobre reformas aos 60 anos aprovada antes do OE

BE quer legislação sobre reformas aos 60 anos aprovada antes do OE

A coordenadora do Bloco de Esquerda defendeu este sábado que a legislação para permitir a reforma por inteiro aos 60 anos de quem começou a descontar antes dos 15 anos deve estar pronta antes do próximo Orçamento do Estado.
BE quer legislação sobre reformas aos 60 anos aprovada antes do OE
Miguel Baltazar
Lusa 05 de agosto de 2017 às 14:23

"Achamos que este pacote específico para vítimas de trabalho infantil, para quem começou a descontar antes dos 15, deve estar pronto o mais rápido possível e antes do Orçamento do Estado [para 2018]", referiu este sábado a coordenadora do Bloco de Esquerda.

 

Catarina Martins falava em Braga, após uma visita ao Mercado Municipal, onde que foi confrontada por muitos populares com longas carreiras contributivas, mas que continuam sem ter direito à reforma.

 

"Dar já o direito à reforma a quem tem 60 anos e começou a trabalhar criança é uma medida comportável do ponto de vista financeiro pela Segurança Social sem nenhum problema", afirmou.

 

Catarina Martins acrescentou ainda que essa é uma medida "da mais elementar justiça" para a geração que foi "vítima de trabalho infantil" e para os jovens actuais que querem entrar no mundo do trabalho.

 

Por isso, Catarina Martins defendeu que essa matéria deve ser legislada de imediato. "Sem prejuízo de, depois, continuarmos a negociar sobre outras matérias das pensões", ressalvou.




A sua opinião14
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 05.08.2017

Esta gente é irresponsável e defende demagogicamente soluções insustentáveis (vão cavar problemas futuros) e geradoras de injustiças relativas.
Estes assuntos não podem evoluir ao ritmo dos caprichos menstruais de serigaitas.
Nos regimes contributivos de pensões, os dois factores relevantes devem ser o total dos descontos específicos acumulados (a parte da TSU que se destina a financiar a pensão) e o prazo residual de vida médio do candidato a reformado.
A diferença em termos de anos médios de recebimento da pensão entre a reforma aos 66 anos e 3 meses e a reforma aos 60 anos traduz-se num acréscimo de mais de 42%.
Normalmente e em termos grosseiros, para financiar um ano de reforma são precisos 3 anos de trabalho/ descontos.

comentários mais recentes
Anónimo 19.08.2017

Começei a trabalhar com 10 anos e a descontar, acho que nao e demagogia se tiver direito a vir para a reforma por inteiro tendo 61 anos com 50 anos de descontos demagogia e haver dinheiro para os banqueiros e nao haver para quem merece as reformas por inteiro

JCG 06.08.2017

Um trabalhador para ter acesso à pensão de reforma por inteiro aos 66 anos e 3 meses (ou 66,25 anos) precisa de ter 40 anos de descontos. Admitindo que a esperança média de vida residual aos 66,25 anos é de 15 anos, tal significa que esse trabalhador precisou de trabalhar e descontar 2,67 anos para financiar cada 1 dos 15 anos de reformado.
É evidente que quem trabalhou e descontou mais de 40 anos deve ver isso repercutido na sua idade de acesso à reforma com pensão por inteiro, mas como? Creio que o critério justo será o deduzido da situação normal, ou seja, por cada 2,67 anos de descontos, para além dos 40, deverá ver a sua idade de reforma antecipada em 1 ano, mantendo a pensão por inteiro.
Por exemplo, quem descontou 48,01 anos (situação de quem tem cerca de 63 anos e descontou desde os 14 ou 15) poderá ter a sua idade de reforma antecipada em cerca de 3 anos. São estas as contas. É claro que uma actriz de teatro não sabe nada de contas. Mas é um ás no gatilho da demagogia.

Anónimo 06.08.2017

Esta lei será justíssima. Agora se o dinheiro não chegar terá que se penalizar proporcionalmente quem não atingiu 40 anos de descontos. É justiça elementar.

Camaradaverao75 06.08.2017

Muitas pessoas com capacidade financeira aproveitaram-se da lei e descontaram (muito dinheiro) só durante 15 anos e agora tem reformas milionárias. Justiça?

ver mais comentários
pub