Emprego Beneficiários de prestações de desemprego baixam para 200 mil em Maio

Beneficiários de prestações de desemprego baixam para 200 mil em Maio

A Segurança Social pagou prestações de desemprego a 200.786 beneficiários em Maio, menos 32.061 (-13,7%) do que no período homólogo de 2016 e 10.645 (-5%) face a Abril, divulgou hoje a entidade.
Beneficiários de prestações de desemprego baixam para 200 mil em Maio
Bruno Simão/Negócios
Lusa 20 de junho de 2017 às 16:54

De acordo com os dados estatísticos divulgados pela Segurança Social, na sua página de Internet, em maio foram processadas 200.786 prestações de desemprego, número que compara com 232.847 um ano antes e com 211.431 em Abril.

 

As prestações de desemprego incluem o subsídio de desemprego, o subsídio social de desemprego inicial e subsequente, o prolongamento do subsídio social de desemprego e a medida extraordinária de apoio aos desempregados de longa duração.

 

No final de maio, a Segurança Social contava com 1.109.597 titulares de abono de família, o que corresponde a uma quebra de 1,5% (menos 17.591) face ao período homólogo de 2016 e de -0,16% (menos 1.787) face a Abril.

 

Por sua vez, os beneficiários de subsídio de doença ascendiam a 118.584 no mês passado, mais 6,0% do que um ano antes (+6.709), mas menos 24% que os 156.109 registados em abril último.

 

No que respeita aos beneficiários de prestações de parentalidade, em maio estavam contabilizados 37.010, mais 10,6% do em igual mês de 2016 (+3.569) e um recuo de 9,5% face a Abril (menos 3.891).

 

O número de beneficiários de RSI - Rendimento Social de Inserção ascendia, no mês passado, a 209.364, um recuo de 2,0% (4.385) face a abril, e de 1,2% em termos homólogos.

 

Já os beneficiários de Complemento Solidário para Idosos (CSI) totalizavam 165.597, número que compara com os de Abril (mais 522) e uma subida de 2,5% num ano (+4.190).

 

O número de pensões de velhice aumentou em maio 0,3%, em termos homólogos, para 2.033.205. Em Abril, os beneficiários de pensões de velhice totalizavam 2.031.827.

 

No que respeita a empresas em situação de 'lay-off' [suspensão temporária dos contratos de trabalho), no mês passado contabilizavam-se 45, menos 16 que em abril e uma diminuição de 25 face a maio de 2016.

 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 07.08.2017

Existe lá malta mais subsidiada do que os funcionários vitalícios da Função Pública que não são lá precisos para nada ou do que os bancários resgatados semana sim semana não? Ganhem juízo e deixem de extorquir quem é sério e honesto. Dívida pública excessiva, fora de controlo, e tributação agravada, terrorista, têm sempre os mesmos destinatários, mas a factura é paga pelo Estado insustentável, pela economia cada vez menos competitiva e pela sociedade iníqua em que vivemos.

pub