Mundo Benjamin Netanyahu investigado por suspeitas de corrupção

Benjamin Netanyahu investigado por suspeitas de corrupção

O primeiro-ministro israelita foi interrogado esta segunda-feira, durante três horas, por suspeitas de corrupção. A imprensa diz que em causa estarão alegados favores pagos por empresários.
Benjamin Netanyahu investigado por suspeitas de corrupção
Reuters
Negócios com Lusa 03 de janeiro de 2017 às 09:07

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, foi interrogado esta segunda-feira, 2 de Janeiro, durante três horas, na sua residência oficial, por suspeitas de corrupção.

"Não pode ser dado nenhum detalhe neste momento", referiu o comunicado do porta-voz policial que confirmou o interrogatório, e que está a ser citado pelas agências de notícias. Foi colocado um painel negro em frente à residência oficial para evitar que pudessem ser recolhidas imagens dos polícias e do primeiro-ministro.

Em causa estará, de acordo com a imprensa israelita, a aceitação de prendas oferecidas por pelo menos dois empresários.

A televisão israelita Canal 2 noticiou que Netanyahu aceitou "favores" de empresários em Israel e no estrangeiro e que o chefe do governo é o principal suspeito numa segunda investigação que envolve também membros da sua família. De acordo com a televisão, deverá ser lançada uma investigação criminal na próxima semana.

O primeiro-ministro tem dito que as notícias "não têm fundamento".

O deputado da oposição Erel Margalit, do partido União Sionista, tem vindo a pedir que Netanyahu seja formalmente investigado sobe as transferências de dinheiro para uso pessoal do primeiro-ministro.

 

Sob suspeita está também a relação do advogado pessoal do primeiro-ministro com uma empresa alemã que vendeu submarinos a Israel no valor de 1,5 mil milhões de dólares (1,43 mil milhões de euros), e que terá representado.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub