Política Benôit Hamon vence segunda volta nas primárias da esquerda

Benôit Hamon vence segunda volta nas primárias da esquerda

Os organizadores das primárias da esquerda em França anunciaram a vitória de Hamon, que se tornará assim o candidato oficial às presidenciais de 2017 pelos socialistas.
Benôit Hamon vence segunda volta nas primárias da esquerda
Reuters
Carla Pedro 29 de janeiro de 2017 às 19:47

Benoît Hamon (na foto) é, por larga margem, o grande vencedor da segunda volta das primárias da esquerda em França, segundo os organizadores, citados pelo Le Figaro.

De acordo com os resultados, ainda parciais, o antigo ministro da Educação recolhia - pouco depois de as urnas fecharem - 58% dos votos, contra cerca de 42% para o antigo primeiro-ministro Manuel Valls. Assim sendo, ficou definido o cenário: Hamon será o candidato às presidenciais deste ano, pelos socialistas.

Pelas 02:00 de terça-feira (01:00 em Lisboa), já com 99,49% das assembleias de voto contabilizadas, Hamon seguia com 58,71%, contra 41,29% para Valls.

Manuel Valls, entretanto, felicitou prontamente Hamon, desejando-lhe "boa sorte". "As primárias da esquerda terminam, os franceses manifestaram-se em grande número, mas não o suficiente para inverter o rumo das coisas, se é que isso seria possível", declarou, citado pelo Le Figaro. 

"Felicito-o calorosamente", acrescentou Valls, citado pela France 24, referindo-se ao vencedor desta noite, que será a partir de agora "o candidato da nossa família política".

Hamon, por seu lado, rendeu homenagem, no seu discurso, a Michel Rocard e a François Mitterrand, recordando que, para Mitterrand, "a unidade da esquerda é o talismã [do êxito] da esquerda". "Vou começar a unir os socialistas", declarou o vencedor desta segunda ronda das primárias.

"Na segunda-feira irei propor a Yannick Jadot [candidato dos ecologistas] e a Jean-Luc Mélenchon [candidato da França Insubmissa, esquerda radical], em particular, que me ajudem a construir uma maioria governamental social, económica e democrática", acrescentou Hamon, citado pelo Le Monde.

"Estou convicto de que, face a uma direita de privilégios e conservadora e uma extrema direita destruidora, o nosso país precisa de uma esquerda que pense o mundo tal como ele é e não tal como foi, uma esquerda capaz de trazer um futuro desejável", afirmou, sublinhando que "é preciso escrever uma nova página da nossa história".

Hamon iniciou o seu discurso antes de Valls ter terminado o seu, o que já lhe valeu algumas críticas esta noite, com a sua própria equipa a reconhecer que tinha sido um "bug técnico" e "um erro enorme".





Os dois adversários trocaram um rápido aperto de mão na sede do Partido Socialista.

Hamon irá reunir-se amanhã, 30 de Janeiro, com o primeiro-ministro francês, Bernard Cazeneuve, às 15:30 locais (menos uma hora em Lisboa).

Quanto ao encontro com o Presidente, Hamon telefonou a François Hollande pelas 20:30 locais, que lhe propôs reunirem-se "na semana que vem", referiu o Le Figaro.

Numa sondagem sobre as eleições presidenciais, levada a cabo pela Kantar Sofres-One Point para o Le Figaro, RTL e LCI, Marine de Le Pen continua a ser a favorita, com 25% das intenções de voto. Já François Fillon fica com 21%, seguido de perto por Emmanuel Macron com 20%. Hamon, por seu lado, surge em quarto lugar com 15%, sendo que o candidato da esquerda radical, Jean-Luc Mélenchon, se fica pelos 10%.









(notícia actualizada pela última vez à 01:35 de terça-feira, 30 de Janeiro)


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
lfrreis 29.01.2017

Espero que Hamon tenha sucesso. É vital para os Países do Sul da Europa!
Que os franceses reconheçam que não é com uma política da direita tipo Alemanha e, agora, dos Estados Unidos, que vão a algum lado.
Se forem por esse caminho vão é perder a influência que tiveram na Europa e no Mundo.

A UE acabou.Os Nazis vão ficar como € só para eles 29.01.2017

Olha.
Fazeres PIOR que o Playboy falhado Holland é difícil.
Se venceres as eleições para presidente,o que é mais que improvável,só espero que não faças como o teu antecessor,ou o "nosso" Coelho/Marilu e vários outros. e NÃO vás lamber o cu aos Nazis Merkel/Rodinhas.

pub
pub
pub
pub