Mundo Bilionários e espiões: conheça o conselho de administração de uma gigante russa

Bilionários e espiões: conheça o conselho de administração de uma gigante russa

Um corretor de commodities bilionário e um país que está no epicentro de uma turbulência política no Oriente Médio estão prestes a entrar para o conselho da maior petrolífera da Rússia. Estes sentir-se-ão em casa.
Bilionários e espiões: conheça o conselho de administração de uma gigante russa
Reuters
Bloomberg 24 de junho de 2017 às 15:00

Os actuais administradores da Rosneft, que bombeia mais petróleo do que qualquer outra empresa de capital aberto, já estão bem versados nas intrigas políticas e em práticas comerciais inescrupulosas. Estão entre eles veteranos das gigantes BP e Exxon Mobil, figuras da Guerra Fria, como o ex-agente do Stasi da Alemanha Oriental Mattias Warnig, e Igor Sechin, aliado de longa data do presidente russo, Vladimir Putin.

 

As recentes "contratações": o CEO da Glencore, Ivan Glasenberg, que construiu a maior corretora de commodities do mundo, e Faisal Alsuwaidi, que comandou a transformação do Catar n um gigante global de gás antes de assumir o cargo actual de presidente de pesquisa e desenvolvimento da Qatar Foundation, uma organização sem fins lucrativos.

 

As recentes entradas no conselho de administração surgem depois de a aquisição conjunta de quase 20% da Rosneft por parte da Glencore e do fundo soberano do Qatar no ano passado.

 

À mesa da Rosneft:


Igor Sechin

O homem mais poderoso da indústria do petróleo da Rússia iniciou a sua carreira como tradutor do exército soviético em Moçambique e Angola, pontos nevrálgicos da Guerra Fria. Mais tarde, trabalhou sob o comando de Putin no gabinete da câmara de São Petersburgo e posteriormente acompanhou-o até ao Kremlin, onde se tornou vice-chefe de gabinete e depois vice-primeiro-ministro. Com apoio estatal, Sechin transformou a Rosneft numa gigante do sector de energia adquirindo o grosso dos activos da Yukos, empresa que o governo expropriou do magnata Mikhail Khodorkovsky, que foi preso, e depois comprou a joint-venture russa da BP em 2013 e a Bashneft, no ano passado.

 

Alexander Novak

Ministro de Energia desde 2012, Novak representou a Rússia nas negociações que conduziram ao histórico acordo, fechado no ano passado, para a redução da produção de petróleo em conjunto com a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP).

 




Matthias Warnig

Warnig trabalhou até 1989 como agente do Stasi, o serviço estatal de segurança da Alemanha Oriental comunista, no mesmo período em que Putin serviu como oficial da KGB no país. Ex-líder do Dresdner Bank na Rússia, mantém relações com o presidente russo desde 1991, pelo menos, quando tentava abrir um escritório de representação do banco em São Petersburgo.

 


Robert Dudley

O CEO da BP tem muita experiência com as dificuldades do negócio do petróleo. Administrou a joint-venture TNK-BP até 2008, quando foi forçado a deixar a Rússia no meio de uma disputa com os sócios bilionários soviéticos da companhia. Após um curto período à frente das operações americanas da BP, em 2010 foi recrutado para dirigir toda a empresa num momento em que o derramamento de petróleo da plataforma Deepwater Horizon se transformou numa crise existencial. Depois de acalmar a situação no Golfo do México, o seu regresso à Rússia, em 2011, gerou novos conflitos, porque os sócios da TNK-BP tentaram impedir um acordo de exploração no Árctico com a Rosneft de Sechin.

 
Andrey Akimov

O CEO do Gazprombank, o terceiro maior banco da Rússia, ficou conhecido nos últimos meses da União Soviética, em 1991, quando fez parte de um grupo enviado aos EUA à procura de investimentos pelo líder do país, Mikhail Gorbachev.

 

O resto do grupo é formado pelo presidente do conselho, Andrey Belousov, economista de carreira do governo, Oleg Vyugin, ex-chefe do serviço de mercados financeiros da Rússia, Guillermo Quintero, ex-chefe da unidade brasileira da BP, e Donald Humphreys, que foi director financeiro da Exxon até 2013.


Título original em inglês: Billionaires, Spies, Oil Men: Meet the Board of a Russian Giant




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub