Saúde Bloco acusa Governo de ter gasto menos 385 milhões do que podia

Bloco acusa Governo de ter gasto menos 385 milhões do que podia

É um clássico do início de cada ano. O Governo anunciou que o défice do ano passado ficou abaixo da meta fixada com Bruxelas e o Bloco de Esquerda fez as contas: são 385 milhões de euros que podiam ter sido gastos sem que as regras fossem violadas.
A carregar o vídeo ...
Marta Moitinho Oliveira 09 de janeiro de 2018 às 18:24
A líder do Bloco de Esquerda acusou esta terça-feira o Governo de ter gasto menos 385 milhões de euros no ano passado, uma despesa que poderia ser feita - nomeadamente na saúde - sem que a meta do défice fixada com Bruxelas ficasse em causa. Catarina Martins repete assim uma crítica feita ao Governo no início de 2017 em relação às contas do ano anterior. 

O primeiro-ministro anunciou esta segunda-feira que o défice do ano passado terá ficado em 1,2%, abaixo do objectivo de 1,4% que o Governo fixou e cujo cumprimento seria avaliado pela Comissão Europeia. 

Catarina Martins fez as contas e levou a factura para o debate quinzenal que decorreu esta tarde no Parlamento. "Podia ter gasto mais 385 milhões de euros", disse a líder bloquista, lembrando que assim "cumpria na mesma" com Bruxelas. A líder bloquista foi directa ao ponto ao perguntar ao primeiro-ministro o que ele teria a dizer às pessoas que estão neste momento no Serviço Nacional de Saúde (SNS) à espera para serem atendidas. 

Costa rejeitou que um défice abaixo do previsto tenha comprometido a aposta do Governo no SNS. "Conseguimos [um défice mais baixo] apesar do aumento da despesa da saúde em 5,5%", assegurou Costa, referindo-se de seguida aos números sobre o aumento da contratação de médicos, enfermeiros e outro tipo de trabalhadores do sector, assim como ao facto de "92% dos portugueses no final do ano passado" já terem médico de família.

A situação do SNS foi também uma das questões em que o CDS mais insistiu. Assunção Cristas quis fazer um balanço das promessas do Governo, com base em informação publicada no Portal da Saúde e que era desfavorável ao Governo, mas Costa actualizou alguns daqueles dados, mostrando mais medidas cumpridas do que aquelas que o Portal revelava. 

Cristas falou das notícias mais recentes dos jornais - que dão conta de uma saturação nos hospitais - e das conclusões do relatório da Entidade Reguladora da Saúde - que apontam críticas ao SNS. Costa voltou a falar no crescimento nas contratações e nas consultas e operações. 

"Há tudo mais, mais, mais, mais, mais e a saúde está menos, menos, menos, menos, menos", disse Cristas, atirando que "não é por acaso que o CDS fala disto e o Bloco também". 

"Não podemos olhar para a realidade e confundi-la com a percepção da realidade", respondeu Costa. O tema voltaria a ser retomado mais à frente no debate pelo PCP que também exigiu melhorias no SNS, tal como aconteceu logo no início do debate na intervenção de Hugo Soares, líder parlamentar do PSD.




A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
peter pan 10.01.2018

Há dinheiro? vamos gastar. Não há? gasta-se na mesma.

Mr.Tuga 10.01.2018

CREDO !?!?!

Que tristes! Que mau! Que vergonha! Que gente!
E pagamos a estes PARASITAS?!?!?

A frase diz tudo desta corja DESPESISTA!
Este sitio de TRAMPA pobretanas atrasado e FALIDO, MERECE-se!

Camaradaverao75 10.01.2018

Reformas aos 67 anos, miséria caótica nos hospitais, mortandade nos incêndios e legionela, IMPOSTOS, ... se isto é o BE então que volte o Passos!

Anónimo 10.01.2018

Esta traidora, antes carpideira nos Aeroportos, agora conivente com o despedimento dos jovens sem indemnização e obrigados a pagar taxa aeroportuária.

ver mais comentários
pub