Política Bloco central: os prós e contras para os partidos

Bloco central: os prós e contras para os partidos

Desde que Rui Rio venceu as eleições internas do PSD, vários responsáveis políticos têm falado sobre as consequências de eventuais entendimentos entre PS e PSD. O Negócios foi falar com especialistas para perceber o impacto que teria em cada partido a concretização de um cenário de aproximação dos dois partidos.
Marta Moitinho Oliveira 03 de fevereiro de 2018 às 15:00

A saída de cena de Passos Coelho e a entrada de Rui Rio no tabuleiro político veio colocar em cima da mesa a possibilidade de entendimentos entre PSD e PS. Se eles vão existir, ou não, ninguém sabe, mas começa a ficar claro que há matérias onde podem ser procuradas soluções de compromisso entre Rio e Costa, como os fundos europeus e as obras públicas. Para já, esta possibilidade parece ficar resumida a acordos em alguns dossiês restritos. Já a ideia de um bloco central em sentido estrito – embora mencionada – parece não colher apoios.

O Negócios falou com um filósofo, Viriato Soromenho-Marques; um cientista político, António Costa Pinto; e um sociólogo, Pedro Adão e Silva; para tentar perceber como no meio mais académico é vista a possibilidade de um bloco central ou de outras soluções de compromisso entre os dois maiores partidos portugueses.

Os especialistas ouvidos concordam que só numa conjuntura excepcional será possível imaginar um cenário de bloco central, mas valorizam a necessidade de compromissos que façam perdurar as políticas públicas. A corroborar este palpite está o facto de apenas em 1983 ter havido um governo de bloco central, liderado por Mário Soares, numa altura em que Portugal recorria pela segunda vez à ajuda externa do FMI. O caso agora é outro. E mais político. É que depois de António Costa ter chegado ao poder, sem ter ganho as eleições em 2015, os actores políticos estão forçados a falarem sobre políticas de alianças. E nesse jogo, vários cenários são possíveis.







A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Ciifrão 03.02.2018

Bloco central é assim uma espécie de máquina sofisticada, para contrapor à gerigonça.

comentários mais recentes
Osié 04.02.2018

O que aconteceu com o PRD em 1985 que teve 18% nas primeiras eleições a que concorreu e partiu sem um líder de provas dadas e sem estrutura nenhuma pode ser repetido e ampliado até ao dobro neste caso .Tal como então o PS seria o mais afectado e o Costa mais o ilhéu rustico sujeitos a interrogação

Anónimo 04.02.2018



Os socialismos capitalistas t?m provado que são semelhantes ao bicho da fruta, porque infiltram-se nas instituições e nas empresas e fazem-nas apodecer por dentro...

Anónimo 04.02.2018

Bloco central?Quem seria o primeiro ministro?Portugal vive uma situação muito delicada em varias vertentes.Os extremisras estão saturados do PS mas presos aos mesmos,o PSD é uma incógnita.Vivemos numa encruzilhada q irá promover convulsões agudas extremadas na politica e sociedade.Futuro mto incerto

Anónimo 04.02.2018

A formacao desse bloco central significaria a extincao do PSD ,passando os mais da esquerda para o ps , e os mais da direita para o CDS. o que seria uma grande ideia.

ver mais comentários
pub