Política Bloco e PCP confirmam que rejeitam compensações ao salário mínimo

Bloco e PCP confirmam que rejeitam compensações ao salário mínimo

Os dois partidos que apoiam o Governo no Parlamento recusam-se a dar a mão ao Executivo para um plano B à redução da TSU. A votação do fim dos descontos para os patrões pode acontecer já na próxima quarta-feira, no fim do debate.
Bloco e PCP confirmam que rejeitam compensações ao salário mínimo
Miguel Baltazar
Negócios com Lusa 20 de janeiro de 2017 às 12:25

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) disse esta sexta-feira que o partido "não admite" compensações às empresas pelo aumento do salário mínimo, mas assinalou que a baixa da factura energética e melhor acesso a financiamento são medidas favoráveis. Catarina Martins confirma assim a informação avançada na tarde de quinta-feira pelo Negócios.

 

"Baixar custos de energia? Com certeza. Resolver problemas no acesso a financiamento? Precisamos disso. Diminuir os juros que as empresas pagam? Com certeza. Resolver problemas como o pagamento especial por conta, que é alto demais para as pequenas empresas? Aqui estamos para isso. Descapitalizar a Segurança Social? Isso não pode ser", advogou Catarina Martins, falando aos jornalistas no Parlamento.

 

A líder do BE falava depois de se ter reunido com uma delegação da CGTP, chefiada pelo secretário-geral, Arménio Carlos, e assinalou que ao olhar para os custos das empresas, é notório que "pesa muito mais a factura da energia ou a factura do financiamento, por exemplo, que os salários dos trabalhadores".

 

Em causa no encontro entre o BE e a CGTP esteve a Taxa Social Única (TSU), nas vésperas de o parlamento poder chumbar a descida da taxa para os empregadores, após acordo em concertação social.

 

"O que o BE não admite é que haja mecanismos de compensação do salário mínimo nacional que o que fazem é promover baixos salários", assinalou Catarina Martins.

 

A redução da taxa, continuou, "foi utilizada em anos consecutivos" para compensar o aumento do salário mínimo, e "o que aconteceu com as sucessivas reduções é que o salário mínimo que chegava a 10% dos trabalhadores agora chega ao dobro".

 

"Outra coisa diferente é perceber que as empresas precisam de outras diminuições noutros custos", reconheceu Catarina Martins, falando depois novamente na factura energética e nos custos de financiamento das empresas.

 

Pela CGTP, Arménio Carlos avisou o Governo: "Mais do que falar numa mudança de política, é preciso concretizar essa mudança".

 

Se o executivo tivesse ouvido a central sindical, asseverou o seu líder, "não tinha o problema que agora tem".

 

A CGTP não assinou o acordo de concertação social que prevê a descida da TSU: confederações patronais e a central UGT, por seu turno, firmaram o texto que foi assinado na terça-feira.

Também esta sexta-feira, o secretário-geral do PCP declarou que não apoiará um plano B para compensar as empresas pelo aumento do salário mínimo. 

No final de um encontro com a Associação Intervenção Democrática - que integra a CDU, em períodos eleitorais - e questionado se o PCP poderá apoiar algum 'plano B' do Governo para compensar as empresas do provável 'chumbo' no parlamento da descida da TSU, Jerónimo de Sousa respondeu negativamente.

"Não, o PCP continua a considerar que é estar a misturar o que não deve ser misturado, o aumento do SMN e bónus para as empresas, isso deve ser claramente separado", frisou.

"Não consideramos que haja necessidade de alternativas. O quadro do aumento do SMN foi verificado (...) não tinha que arrastar qualquer bónus ou qualquer compensação para as empresas, para o patronato", justificou.

(Notícia actualizada com posição do PCP)




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
PESSEGADA 20.01.2017

Ó Cathy, vá lá, tem um bocadinho de tino, é só pensar! isso custa tanto?! Como baixas a energia se a EDP é dos chineses (foi o Passos, eu sei) e como é que baixas os custos de financiamento se a Banca está toda falida e andamos a meter nela milhares de milhões?! E é privada, não te esqueças! Pensa!

Constato que 20.01.2017

uma precisa de do dinheiro para o caviar para servir na tertúlia da treta do fim-de-semana; o outro precisa para comprar cassetes! Esta tropa é mesmo pouco confiável e não valem m"....." nenhuma!

Anónimo 20.01.2017

Não há mais Sapos para engolir?

Anónimo 20.01.2017

Subscrevo o Sir Winston Churchill!

ver mais comentários
pub