Política Bloco de Esquerda anula adesão de "grupo infiltrado"

Bloco de Esquerda anula adesão de "grupo infiltrado"

O Bloco de Esquerda anulou a adesão de seis elementos da organização Socialismo Revolucionário que aponta como "grupo infiltrado", refere uma nota divulgada através da página oficial do BE na internet.
Bloco de Esquerda anula adesão de "grupo infiltrado"
Miguel Baltazar
Lusa 10 de janeiro de 2017 às 09:57

"A anulação das adesões e a não-ratificação dos novos pedidos de adesão, num total de seis, foi decidida por voto secreto com 47 votos a favor, 24 contra e quatro abstenções. Esta decisão resulta da verificação de fraude ao princípio legal e estatutário da adesão individual. Não são abrangidos pela decisão três dos aderentes visados pelo inquérito, que integraram o SR (Socialismo Revolucionário) quando já eram aderentes do Bloco de Esquerda", indica o comunicado do BE. 

 

O mesmo documento especifica que a decisão da Mesa Nacional do Bloco de Esquerda, aprovou por maioria o relatório da Comissão de Inquérito sobre o assunto no passado domingo.

 

Segundo a página oficial do BE, o inquérito interno foi aberto na sequência de um conjunto de adesões e pedidos de adesão "provenientes de uma organização política que, externamente ao Bloco de Esquerda e sem qualquer contacto com os órgãos legítimos do partido, decidiu infiltrá-lo".

 

O texto do Bloco de Esquerda refere que a organização Socialismo Revolucionário apresenta-se como a secção portuguesa do "Comité para uma Internacional dos Trabalhadores" (CIT), partido marxista internacional, que publica a revista A Centelha, e que mantém uma página oficial na internet.

 

O Bloco de Esquerda sublinha igualmente as teses do Congresso da organização Socialismo Revolucionário, realizado em 2013 e que criticou o BE pela "mudança da liderança para a direita" em direcção à social-democracia.

 

"Exigimos tácticas flexíveis que podem significar a procura de oportunidades noutros locais, incluindo uma orientação para o PC português, que, apesar de muitas das características burocráticas que retira do seu passado estalinista, é um dos poucos partidos tradicionais de trabalhadores de massa que ainda existem na Europa", escreve o Bloco de Esquerda referindo-se às posições demonstradas pelo Socialismo Revolucionário.

 

A nota recorda que através de divulgação de uma declaração de Junho de 2016, o Comité Executivo do Socialismo Revolucionário anunciou a integração no Bloco de Esquerda e que no mês de Dezembro enviou à Mesa Nacional um pedido de formalização.

 


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 10.01.2017


A ladroagem de esquerda

AS CLASSES SOCIAIS EM PORTUGAL:

1. Burguesia = Os Patrões

2. Nobreza = Os Ladrões FP / CGA

3. Povo = Os Trabalhadores e Pensionistas do privado (que são tratados como escravos e roubados para sustentar as 2 classes privilegiadas)


comentários mais recentes
pertinaz 10.01.2017

OS DITADORES COMPORTAM-SE TODOS DA MESMA FORMA

Anónimo 10.01.2017


A ladroagem de esquerda

AS CLASSES SOCIAIS EM PORTUGAL:

1. Burguesia = Os Patrões

2. Nobreza = Os Ladrões FP / CGA

3. Povo = Os Trabalhadores e Pensionistas do privado (que são tratados como escravos e roubados para sustentar as 2 classes privilegiadas)


Centavo 10.01.2017

Já pensavam que eram grandes os totós pensavam que os comunistas os deixavam avançar!

pub