Finanças Públicas BE quer aumentos mas Centeno responde que salários já estão a subir

BE quer aumentos mas Centeno responde que salários já estão a subir

O ministro das Finanças, Mário Centeno, afirmou hoje que os salários médios estão a crescer, em resposta ao Bloco de Esquerda, que defendeu o aumento dos salários na função pública mas também no sector privado.
BE quer aumentos mas Centeno responde que salários já estão a subir
Miguel Baltazar
Lusa 31 de janeiro de 2018 às 13:54

"Para o Bloco de Esquerda, a prioridade é preparar desde já o fim do congelamento salarial na Função Pública", afirmou Mariana Mortágua, salientado que os salários dos funcionários públicos valem hoje 90% do que valiam em 2010.

 

Admitindo que a discussão sobre o aumento salarial "só agora começou", a deputada bloquista defendeu também que "não se pode permitir que no privado exista estagnação salarial".

 

Em resposta à deputada, o ministro das Finanças disse que o salário médio cresceu 2% em Portugal no ano passado, considerando que "há um reforço significativo da dimensão salarial" que pode ser visto também através das contribuições salariais, que estão a aumentar 7%.

 

Isto quer dizer, segundo simplificou o ministro, que "o salário que os portugueses levam para casa no seu conjunto está a crescer 7%".

 

Numa entrevista à TSF/Dinheiro Vivo, divulgada este fim-de-semana, o deputado do PS João Galamba disse que "dificilmente poderá haver em cima disto aumentos salariais em 2019", uma posição que foi contraposta pela líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 31.01.2018

Os salários ou o custo do trabalho em Portugal são mais reduzidos do que noutras economias mais ricas e desenvolvidas do que a portuguesa, mas o que se passa é que aí as empresas gozam de economias de escala que as empresas portuguesas só atingiriam se se internacionalizassem. E o que é facto é que muito raramente isso acontece porque sindicatos e esquerda não deixam que se reúnam as condições para que tal aconteça. Por outro lado, e não menos importante, há que salientar que o sector empresarial dessas economias mais ricas e desenvolvidas tem uma muito maior alocação de capital com grande incorporação de tecnologia de ponta, económica e eficiente, que poupa enormemente em factor trabalho. Uma coisa é ter 200 assalariados a ganhar 1000 outra é ter 50 a ganhar 2000 para produzir o dobro do que se consegue produzir empregando os primeiros. Agora, sem fazer nada disto e sem obedecer a estas regras económicas, também se pode decretar salário de 2000 para os 200. Enquanto der.

comentários mais recentes
O meu voto o PS não volta a ter 31.01.2018

Iam descongelar as progressões e ao fim de 10 anos aumentaram-me 30 euros brutos. Enfiem os 30 euros naquele sitio seus aldrabões.

Anónimo 31.01.2018

Obrigado troika. A purga resultou. Pena é a reversão de políticas ser tão evidente.

Anónimo 31.01.2018

Os salários ou o custo do trabalho em Portugal são mais reduzidos do que noutras economias mais ricas e desenvolvidas do que a portuguesa, mas o que se passa é que aí as empresas gozam de economias de escala que as empresas portuguesas só atingiriam se se internacionalizassem. E o que é facto é que muito raramente isso acontece porque sindicatos e esquerda não deixam que se reúnam as condições para que tal aconteça. Por outro lado, e não menos importante, há que salientar que o sector empresarial dessas economias mais ricas e desenvolvidas tem uma muito maior alocação de capital com grande incorporação de tecnologia de ponta, económica e eficiente, que poupa enormemente em factor trabalho. Uma coisa é ter 200 assalariados a ganhar 1000 outra é ter 50 a ganhar 2000 para produzir o dobro do que se consegue produzir empregando os primeiros. Agora, sem fazer nada disto e sem obedecer a estas regras económicas, também se pode decretar salário de 2000 para os 200. Enquanto der.

Anónimo 31.01.2018

Aumentos salariais são bem vindo, mas se os politicos soubessem como estão verdadeiramente as empresas.... vão ver o que vai acontecer no Vale do ave as empresas de Confecoes e calçado todas a estoirar, fora as quantas q já mudaram de nome...

ver mais comentários
pub