IRS Bloco de Esquerda quer mais escalões de IRS no Orçamento do Estado
IRS

Bloco de Esquerda quer mais escalões de IRS no Orçamento do Estado

A coordenadora nacional do BE defendeu hoje que, para os portugueses recuperarem rendimentos, o Governo deve preocupar-se mais em garantir progressividade nos escalões de IRS no próximo Orçamento de Estado (OE) do que em "ser subalterno" à Comissão Europeia.
Bloco de Esquerda quer mais escalões de IRS no Orçamento do Estado
Miguel Baltazar
Lusa 10 de abril de 2017 às 13:08

"Maior progressividade nos escalões do IRS é uma medidas que está inscrita no acordo que o BE fez com o PS e tem que ser implementada nesta legislatura", disse a coordenadora do BE, Catarina Martins, durante uma acção no mercado semanal de Espinho, onde distribuiu o jornal do partido e ouviu vários cidadãos referirem-se-lhe a si como "uma mulher pequenina, mas cheia de força e valor".

 

A líder do BE admitiu que poderá não ser possível executar a medida por completo apenas num ano, mas, precisamente por isso, alertou que "o próximo OE já tem que ter um maior aumento de escalões para reduzir os impostos cobrados em sede de IRS - que, neste momento, são muito altos."

 

"Eu sei que a pressão europeia é gigantesca e que a Comissão Europeia foi contra o fim dos cortes nas pensões e nos salários, contra o aumento do salário mínimo nacional e contra todas as medidas destinadas a recuperar os rendimentos", recordou.

 

Mas, acrescentou, "é a determinação de defender o país, mais do que ser-se subalterno à Comissão Europeia, que permite crescimento económico, emprego e até o controlo do défice".

 

Para Catarina Martins, a discussão sobre a recuperação de rendimentos é particularmente oportuna "no momento em que o Governo se prepara para apresentar o Programa de Estabilidade e em que, verdadeiramente, se começam a desenhar as linhas do próximo OE".

 

No entanto, a concretização desse objectivo não passará apenas por um maior número de escalões de IRS, já que o BE também reclama a implementação de programas de combate à precariedade, o descongelamento de carreiras e um maior acesso a pensões antecipadas.

 

Esse último aspecto foi abordado, aliás, durante a visita de Catarina Martins à feira de Espinho, com vários cidadãos a aproveitarem a presença da coordenadora do BE para reivindicar reformas menos tardias.

 

"[O acesso a pensões antecipadas] é uma medida essencial que deve avançar o quanto antes porque, se deixarmos reformarem-se as pessoas que começaram a trabalhar quando eram crianças, não só estaremos a fazer justiça a essa geração, como estaremos a criar postos de trabalho para as geração mais jovens que procura emprego", concluiu a coordenadora do BE.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 16.05.2017

O BE quer!
O BE pede!
O BE exige!
O BE pretende!
O BE só vê DIREITOS!

Estes DESPESISTAS RUINOSOS acham que somos a Alemanha e que a DIVIDA COLOSSAL, que estão a ajudar a aumentar, se evaporou....
HIpocritas sebentos de mer****!
Quem vier a seguir que pague as facturas....

Ó hipócrita e aldrabona... 10.04.2017

Estás no parlamento e não no teatro, deixa de fazer cenas... já não colam.
O que queres é pôr os mais pobres a pagar IRS, vampira, queres sugar os contribuintes portugueses.

pub
pub
pub
pub