Segurança Social Bloco e PCP defendem alternativas à TSU e culpam PSD

Bloco e PCP defendem alternativas à TSU e culpam PSD

No debate em que a redução da TSU para os patrões vai morrer, os parceiros do Governo fizeram tiro ao alvo ao PSD e rejeitaram a ideia de que a concertação social se possa sobrepor ao poder político.

O Bloco de Esquerda e o PCP defenderam esta quarta-feira a redução do Pagamento Especial por Conta (PEC) e dos custos energéticos como forma de ultrapassar o chumbo da Taxa Social Única (TSU) no Parlamento. No debate que vai servir para pôr fim a esta medida, os parceiros do Governo atacaram o PSD e recusaram que a concertação social possa sobrepor-se ao poder político.

O debate sobre o fim da redução da TSU começou pelas 15 horas no Parlamento e resultou de iniciativas do Bloco de Esquerda e do PCP, que rejeitam essa medida. No entanto, nas intervenções iniciais, ambos os parceiros do Executivo deixaram a porta aberta a outras medidas para as empresas que, na opinião do Bloco e do PCP, não configuram compensações pelo aumento do Salário Mínimo Nacional (SMN), já em vigor desde 1 de Janeiro.    

"As linhas que se podem justificar de estímulo às micro e PME como a redução e eliminação do PEC ou a baixa dos custos de energia, entre outros, têm a sua ponderação e justificação própria e não podem ser considerados como contrapartidas pelo aumento de salários", disse a deputada comunista Rita Rato, durante o debate na Assembleia.


Também antes, José Soeiro tinha abordado as alternativas ao fim da redução da TSU. "Do que não precisam é de uma fatura energética excessiva, do abusivo pagamento especial por conta ou de uma política de crédito que lhes cobra juros acima do que podem pagar", afirmou o deputado bloquista. 

Tanto o Bloco de Esquerda como o PCP guardaram parte da sua intervenção para falar sobre o salário mínimo nacional - que aumentou em Janeiro de 530 para 55 euros - e acusaram o PSD de fazer mudar de posição. "A única novidade foi mesmo a pirueta do PSD", disse José Soeiro. Também o PCP virou os holofotes para cima dos sociais-democratas. A comunista Rita Rato acusou o PSD de "o
portunismo", ao ir votar ao lado da esquerda para travar a descida da TSU, o que "não apaga a verdadeira motivação do PSD contra o SMN".

Na sua intervenção, o deputado bloquista rejeitou que este debate seja sobre a maioria de esquerda. "Este não é pois, um debate sobre o Bloco de Esquerda, sobre o PCP, sobre os Verdes, sobre as posições conjuntas que assinaram com o Partido Socialista", disse José Soeiro, antecipando assim que o PSD e CDS fossem explorar logo de seguida eventuais divergências entre os parceiros que sustentam o Governo.    

Rita Rato e José Soeiro foram também críticos da sobreposição da concertação social. A deputada comunista considerou que a decisão do Governo com patrões e UGT "limita a AR" e dá "direito de veto" às confederações patronais. E o deputado bloquista lembrou que o facto de o acordo deixar de fora alguns parceiros sociais "fragiliza enormemente a sua legitimidade". 

   

(Notícia actualizada com mais declarações)




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Joao22 Há 4 semanas

Salazar volta, Portugal precisa de ti.

comentários mais recentes
Estes geringonços ... Há 4 semanas

São mesmo remelosos... a tentarem sacudir as suas remelas para cima dos outros. ... Ó esquerdalhos vocês são parceiros do governo costa ... então governem...

Anónimo Há 4 semanas

Saiu-lhes o tiro pela culatra, as esganiçadas queriam estar de bem com Deus e com o Diabo, não contavam é que o PSD tivesse o mesmo sentido de voto. EH, EH,EH,EH,EH,EH,AH,AH,AH,AH,AH.

Anónimo Há 4 semanas

São todos a mesma merda desde o CDS ao BE... mas nós não merecemos mais! temos exactamente aquilo que merecemos.

Joao22 Há 4 semanas

Salazar volta, Portugal precisa de ti.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub