Orçamento do Estado Bloco e PCP reclamam vitórias no Orçamento do Estado

Bloco e PCP reclamam vitórias no Orçamento do Estado

Na abertura do debate na especialidade do Orçamento do Estado para 2017, Bloco de Esquerda e PCP reclamaram para si a responsabilidade de várias das medidas que surgem no diploma. Já o PSD diz que o Governo está a usar a receita da direita para crescer.
Bloco e PCP reclamam vitórias no Orçamento do Estado
Miguel Baltazar
Bruno Simões 24 de Novembro de 2016 às 11:33

Na abertura do debate do Orçamento do Estado, os parceiros parlamentares do PS aproveitaram para reclamar o seu contributo para a elaboração do documento. João Oliveira, líder da bancada do PCP, disse que a acção dos comunistas foi "decisiva" para discutir o aumento das pensões, e Mariana Mortágua reclamou o reconhecimento dos precários no Estado. Ainda que o processo negocial pudesse "ter ido mais longe", este Orçamento "tem assumidamente e com o orgulho a marca do Bloco de Esquerda".

 

Este Orçamento "só existe porque não é de bloco central, só é possível e existe porque não é do PS", descreveu Mariana Mortágua. E enumerou "os constrangimentos europeus" e "a dívida" como não sendo prioritários para o partido. Mas os precários foram reconhecidos. "Podemos agora dizer às centenas de milhares de precários que trabalham para o Estado, que sustentam os serviços públicos no nosso país, que o Estado português já não mais aceita a sua invisibilidade, ela acabou, há uma maioria que reconhece a existência destes precários e podemos dizer que podem exigir a sua regulação como trabalhadores".

 

João Oliveira reclamou a paternidade da proposta das pensões e acusou a direita de "absoluto descaramento" por exigirem um aumento de 10 euros nas pensões. "Congelaram e cortaram pensões" e esperam agora "credibilidade", criticou, estendendo as críticas igualmente à postura no metro de Lisboa. "Quatro anos a comprometer a operacionalidade do metro. E agora vem pedir investimento", ironizou.

 

"Fazem a festa com o nosso modelo"

 

Pelo PSD, o deputado Duarte Pacheco criticou o facto de o Governo estar a conseguir bons resultados no crescimento da economia à boleia da receita do PSD. "Fazem hoje a festa com o modelo que nós defendemos, apoiado na procura externa e não no consumo interno", assinalou.

 

Do lado do CDS, João Almeida lembrou que as medidas de austeridade surgiram "para salvar o país da situação em que a esquerda o tinha colocado" e recorda que, mesmo nesses anos, o anterior Governo subiu sempre as pensões mínimas, sociais e rurais.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado surpreso Há 2 semanas

Bloco e o PCP deram o ku e oito tostões,para dar palpites ao PS.Engolem tudo o que andaram a dizer,contra os "xuxas" por causa do ódio à direita e alguns empregos

comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

QUANDO A ESQUERDALHA CANALHA RECLAMA VITÓRIA...

... SIGNIFICA QUE PORTUGAL E OS PORTUGUESES FICAM A PERDER !!!

surpreso Há 2 semanas

Bloco e o PCP deram o ku e oito tostões,para dar palpites ao PS.Engolem tudo o que andaram a dizer,contra os "xuxas" por causa do ódio à direita e alguns empregos

Ciifrão Há 2 semanas

A Agência de Publicidade sempre e a anunciar festa, o problema é não se enxergarem grandes motivos para festejos.

Fernando Há 2 semanas

O Bloco de Esquerda foi o partido chave que impulsionou directamente a criação da geringonça, através da sua abertura a negociações que permitiram acordos de apoio a um governo de esquerda, acho que só por isso já é reconhecido. Agora o que importa é que os portugueses estão melhor...

pub
pub
pub
pub