Saúde Bloco quer plano de investimentos a quatro anos na Saúde

Bloco quer plano de investimentos a quatro anos na Saúde

O Bloco de Esquerda quer que o Governo apresente até final de Junho do próximo ano um plano de investimentos para a Saúde para os próximos quatro anos. O ministro da Saúde mostrou-se favorável a esta ideia.
Bloco quer plano de investimentos a quatro anos na Saúde
Bruno Simão/Negócios
Bruno Simões 17 de novembro de 2017 às 20:33

O Bloco de Esquerda quer que o Executivo apresente, até 1 de Julho do próximo ano, um plano de investimentos para a Saúde para um horizonte de quatro anos. A ideia é que sejam definidos os "montantes mínimos anuais de investimento a realizar na renovação de equipamento, na manutenção e construção de edificado e na contratação e reforço de profissionais para o Serviço Nacional de Saúde".

 

Esse plano plurianual de investimentos, que é uma maneira de evitar a eterna desorçamentação da Saúde, deve ainda identificar os "programas e medidas para a promoção da saúde e prevenção da doença, assim como os montantes mínimos de financiamento a esses mesmos programas e medidas".

 

Na audição ao ministro da Saúde na passada segunda-feira, o deputado bloquista Moisés Ferreira (na foto) perguntou se o Executivo estaria disponível para elaborar um "orçamento de vários anos que garanta o investimento que é necessário fazer", e se haveria abertura para "que o Governo possa apresentar à Assembleia da República um plano de quatro anos para fazer esse investimento".

 

Adalberto Campos Fernandes disse que sim. "Acompanhámo-lo na proposta que faz na retenção de fundos para além de um tempo que seria desejável, acompanhamos essa proposta e estamos de acordo", afiançou o ministro da Saúde.

Já o PCP adopta outra abordagem e pretende que o Executivo apresente no próximo ano um "plano de investimento para os hospitais do Serviço Nacional de Saúde, que inclua um  programa de renovação de equipamentos e infraestruturas nos serviços e entidades públicas prestadores de cuidados de saúde que integram o SNS".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub