Impostos Bloco e PCP contra perdão fiscal a grandes empresas

Bloco e PCP contra perdão fiscal a grandes empresas

Catarina Martins defende que o novo regime não devia ser "cego" e que, se faz sentido para uma família em apuros ou uma empresa em dificuldades, grandes sociedades como a Galp não deveriam poder beneficiar. Também o PCP defende que se devia fazer a distinção.
Bloco e PCP contra perdão fiscal a grandes empresas
Negócios 07 de Outubro de 2016 às 09:24

"O Bloco de Esquerda nunca foi favorável a este tipo perdões fiscais e não mudou de ideias", afirmou esta quinta feira à noite a líder bloquista, Catarina Martins. Numa entrevista à SIC, salientou que regimes como o do Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado (PERES), anunciado pelo Executivo, podem "ter alguns efeitos nocivos na própria economia porque estamos a dizer às pessoas em última análise: 'Podem não pagar impostos, que depois virá um perdão'".

 

Por outro lado, acrescentou Catarina Martins, o perdão fiscal não deveria ser "cego" e as grandes empresas não deveriam ser contempladas. "Achamos que a Galp não é uma empresa em dificuldades que precise de um perdão fiscal", exemplificou. A Galp, recorde-se, mantém um contencioso em tribunal com o Fisco, onde contesta impostos na ordem dos 240 milhões de euros.

 

Para o Bloco, o perdão fiscal deveria ser aplicado apenas em determinados casos e com uma "análise da absoluta necessidade". Porque "é completamente diferente uma família que foi vítima do desemprego e acumulou uma dívida e precisa de um plano de pagamentos especiais ou uma empresa que pode perder os postos de trabalho e acabou por acumular uma dívida e precisa de um plano", ou simplesmente "fazer-se um perdão cego que serve para toda a gente, para quem precisa e para quem não precisa".

 

Também o PCP torceu o nariz à iniciativa do Governo. João Ferreira, deputado comunista, afirmou, citado pelo Expresso, que o seu partido "nunca foi nem será a favor do perdão fiscal, mas outra coisa é as condições de pagamento. Mesmo aí há que distinguir uma família endividada ou uma pequena empresa com dificuldades de tesouraria de um grande grupo económico". "Perdão fiscal não. Condições de pagamento, isso depende", concluiu.

 

O Ministério das Finanças veio ontem ao final do dia recusar a utilização da expressão "perdão fiscal" para qualificar o PERES.  "Não é verdade que o Governo tenha aprovado hoje um perdão fiscal. O Governo desmente categoricamente que tenha sido aprovado um perdão fiscal. Não há nenhum perdão fiscal", sublinhava um comunicado enviado às redacções.

 

O Programa Especial de Redução do Endividamento ao Estado permite a empresas e famílias, até 20 de Dezembro, pagar as dívidas que tenham ao Fisco e à Segurança Social com perdão de juros e custas. Em alternativa poderão solicitar um pagamento a prestações também com redução de juros e desde que paguem à cabeça 8% do total da dívida. 




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


SALÁRIO MÉDIO DOS PROFESSORES PORTUGUESES É O 3.º MAIS ALTO DA EUROPA, EM 2015 (antes da reposição dos salários da FP).

"No caso dos docentes com salários mais altos, em que o rendimento dos docentes é superior ao PIB per capita, Portugal aparece em destaque como o terceiro com salários mais elevados da Europa: Bosnia Herzegovina (327%), Chipre (282%) e Portugal (245%)."

Relatório da Eurydice.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


O VERDADEIRO SOCIALISTA

Um verdadeiro socialista defende a igualdade (critérios iguais) e a justiça para todos os cidadãos.

Ao contrário de muitos portugueses que se dizem socialistas (incluindo os do governo), mas que apenas defendem os interesses particulares de alguns grupos privilegiados…

Em detrimento dos restantes cidadãos (a maioria dos portugueses) que são cada vez mais sacrificados para sustentar os privilégios, as mordomias, as regalias e as benesses desses grupos (FP & CGA).

Manuel Há 3 semanas

Eu que pago todos os impostos atempadamente sou completamente contra qualquer perdão. A constituição é clara: igualdade. Ou é para todos, ou não é para ninguém.

Anónimo Há 3 semanas


Peeensionista da CGA

És proprietário da parte da pensão que corresponde aos descontos efetuados!

O resto, mais de metade, é uma esmola que os trabalhadores e os contribuintes portugueses te dão, 14 meses por ano.

valeaquilino Há 3 semanas

Só a incompetência, ou o compadrio, em cobrar impostos, levam a um perdão fiscal.
. Esperemos que desta vez não seja o caso.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub