Mundo Bomba da II Guerra Mundial descoberta perto de um reactor de Fukushima

Bomba da II Guerra Mundial descoberta perto de um reactor de Fukushima

Uma bomba, provavelmente datada da Segunda Guerra Mundial, foi descoberta hoje na zona da central nuclear de Fukushima Daiichi, atingida gravemente pelo terramoto de 2011.
Bomba da II Guerra Mundial descoberta perto de um reactor de Fukushima
Lusa 10 de agosto de 2017 às 09:33
O engenho foi detectado por um trabalhador que se encontrava nas obras de construção de um parque de estacionamento para automóveis, disse à France Presse um porta-voz da companhia Tokyo Electric Power (Tepco).

A bomba, com 85 centímetros de comprimento e 15 centímetros de diâmetro, encontrava-se enterrada a cerca de um quilómetro de distância das instalações envolventes dos reactores 02 e 03 da central nuclear.

"Nós avisamos a polícia de Futaba que ficou encarregada deste processo", acrescentou o porta-voz.

No Japão são as forças de autodefesa e a polícia as entidades responsáveis por este tipo de situações e que avaliam os riscos que a explosão de uma bomba deste tipo pode provocar.

Em Março de 2011 toda a região foi evacuada, logo a seguir à catástrofe que afectou a central nuclear sendo que, neste momento, decorrem trabalhos de desmantelamento dos seis reactores, incluindo os quatro que foram seriamente atingidos pelas explosões de hidrogeno provocadas pelo sismo.

O local onde se encontra a bomba encontrada hoje foi isolado por motivos de segurança, mas os trabalhos de remoção dos escombros não foram interrompidos.

Na região onde foi construída a central nuclear de Fukushima Daiichi, nas localidades de Futaba e Okuma (nordeste do Japão) existiu uma base aérea militar alvo de bombardeamentos da aviação norte-americana durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

As forças imperiais do Japão, país aliado da Alemanha e da Itália, já tinha ocupado uma grande parte da China quando bombardeou a base naval norte-americana de Pearl Harbour, no Havai, a 7 de Dezembro de 1941.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar