Política Monetária Brasil corta juros pela 10.ª vez consecutiva. E já estão em mínimos históricos

Brasil corta juros pela 10.ª vez consecutiva. E já estão em mínimos históricos

O comité de política monetária (o chamado Copom) do banco central brasileiro reduziu em 50 pontos base a sua taxa de juro directora, a Selic, que está agora num mínimo histórico de 7%.
Brasil corta juros pela 10.ª vez consecutiva. E já estão em mínimos históricos
REUTERS
Carla Pedro 06 de dezembro de 2017 às 21:42

O banco central do Brasil cortou a sua taxa de juro de referência, a Selic, pela 10.ª vez este ano. O comité de política monetária (o chamado Copom) decidiu-se por uma redução de 50 pontos base, colocando assim os juros em 7% - o que constitui o valor mais baixo de sempre.

 

Na decisão anterior, tomada em Outubro, o banco central tinha cortado a Selic em 75 pontos base para 7,5%. O seu mínimo histórico estava nos 7,25%, patamar observado entre Outubro de 2012 e Abril de 2013.

Liderado pelo presidente Ilan Goldfajn, o Copom foi assim ao encontro do que era esperado pelo consenso de mercado. Com efeito, os 49 analistas inquiridos pela Bloomberg apontavam para um novo corte da Selic.

Com esta redução decidida hoje, a taxa directora brasileira já foi cortada em 725 pontos base desde Outubro de 2016 – nessa reunião, recorde-se, a Selic desceu de 14,25% para 14%.

O facto de a descida de hoje ter sido de menor dimensão do que a anterior deixa prever um ritmo mais lento de alívio na sua próxima reunião. "Quanto à próxima reunião, uma vez que o cenário de base do comité está a evoluir como esperado, e tendo em conta a fase do ciclo de flexibilização monetária, o Copom vê como mais adequada uma redução adicional moderada", refere o comunicado do banco central.

Os juros têm vindo a descer num contexto de baixa inflação no Brasil. No mês de Outubro, a o índice de preços no consumidor situou-se em 0,42% - em ritmo anual, conforme sublinha o UOL, o valor acumulado do índice é de 2,7% [longe da meta de 4,5% definida pelo governo].



(notícia actualizada às 23:01)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar