Mundo Brasil: Espírito Santo pede mais militares para conter violência

Brasil: Espírito Santo pede mais militares para conter violência

O governador interino do estado brasileiro do Espírito Santo, César Colnago, disse necessitar de mais militares para lidar com a greve de polícias e a onda de violência que já fez mais de 80 mortos.
Brasil: Espírito Santo pede mais militares para conter violência
Reuters
Lusa 09 de fevereiro de 2017 às 00:44

O responsável disse esta quarta-feira aos jornalistas que vai pedir mais tropas ao governo federal, acrescentando que os 1.000 soldados já enviados não são suficientes para conter a onda de violência.

 

Os assassinatos na capital do estado, Vitória, e noutras cidades, começaram quando amigos e familiares da polícia militar bloquearam os quartéis no fim-de-semana para exigir melhores salários, o que impediu o patrulhamento das ruas.

 

A polícia militar brasileira patrulha as cidades do país e está proibida por lei de fazer greve.

 

André Garcia, chefe do departamento de segurança pública do Espírito Santo, disse na quarta-feira aos jornalistas que a violência diminuiu, com a chegada das primeiras tropas, mas acrescentou que gostaria de ver mais 1.000 soldados no estado.

 

O sindicato que representa a polícia civil disse que 87 pessoas foram assassinadas desde que a polícia parou de patrulhar as ruas, na noite de sexta-feira. O governo do estado não divulgou o número de mortes.

 

Pelo menos dois autocarros foram queimados em Vitória e lojas foram saqueadas, levando seis centros comerciais a encerrar. As escolas também fecharam e os serviços médicos nos hospitais públicos também foram interrompidos.

 

Na quarta-feira, o governador do Espírito Santo, estado no sudeste do Brasil, Paulo Hartung, classificou de chantagem a paralisação dos polícias.

 

"O que está a acontecer no Espírito Santo é chantagem aberta", disse o governador, que está de licença por causa de uma cirurgia mas que deve reassumir o cargo na próxima semana. 




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Infelizmente a situação fica cada vez pior !

pub