Política Monetária Brasil faz maior corte de juros em cinco anos

Brasil faz maior corte de juros em cinco anos

A decisão de acelerar o corte dos juros foi pautada pelas previsões de que a retoma do crescimento da economia brasileira será mais lenta do que era esperado e porque a inflação continua a cair no país.
Brasil faz maior corte de juros em cinco anos
Reuters
Lusa 11 de janeiro de 2017 às 22:49
O Comité de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil reduziu esta quarta-feira, 11 de Janeiro, a taxa básica de juros do país (Selic) de 13,75% para 13% ao ano, o corte mais acentuado em quase cinco anos.

Em um comunicado divulgado à imprensa, o Copom informou que avaliou a alternativa de reduzir a taxa básica de juros para 13,25% e sinalizar uma intensidade maior de queda para a próxima reunião, mas optou por fazer um corte acentuado agora porque o cenário já está favorável.

"Perante um ambiente com expectativas de inflação ancoradas, o comité entende que o actual cenário, com um processo de desinflação mais disseminado e actividade económica aquém do esperado, já torna apropriada a antecipação do ciclo de distensão da política monetária, permitindo o estabelecimento do novo ritmo de flexibilização", justificou.

A decisão de acelerar o corte dos juros foi pautada pelas previsões de que a retoma do crescimento da economia brasileira será mais lenta do que era esperado e porque a inflação continua a cair no país.

"O conjunto dos indicadores sugere actividade económica aquém do esperado. A evidência disponível sinaliza que a retoma da actividade económica deve ser ainda mais demorada e gradual do que a antecipada previamente. A inflação recente continuou mais favorável que o esperado. Há evidências de que o processo de desinflação mais difundida tenha atingido também componentes mais sensíveis à política monetária e ao ciclo económico", referiu aquele órgão.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou hoje que a inflação oficial no Brasil, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Amplo (IPCA), fechou o ano de 2016 em 6,29%.

O resultado cumpriu o sistema de metas que vigora no país, cujo objetivo central era de 4,5%, mas com uma tolerância de dois pontos percentuais para mais ou para menos (2,5% e 6,5%, respectivamente).

A inflação é uma das maiores preocupações do Governo brasileiro, já que afeta diretamente a população e o consumo, muito prejudicados pela crise económica que vigora no país há pelo menos dois anos.

A redução da inflação tem impacto directo no dinamismo da economia, porque este indicador é usado para orientar a política de juros.

O Copom citou as previsões do mercado financeiro sobre a alta de preços para os ciclos seguintes, cujas "expectativas de inflação apuradas pela pesquisa Focus recuaram para cerca de 4,8% em 2017 e mantiveram-se ancoradas em redor dos 4,5% para 2018 e horizontes mais distantes".

No final de sua avaliação, o órgão do Governo brasileiro que decide a política monetária ressalvou que ainda existem alguns riscos para a manutenção desta política económica, tendo em vista que o cenário externo continua imprevisível e pode dificultar o processo de desinflação.

Nesta linha, o Copom concluiu que "a extensão do ciclo e possíveis revisões no ritmo de flexibilização [dos juros] continuarão a depender das projecções e expectativas de inflação e da evolução dos fatores de risco".



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub