Américas Brasil prevê cumprir meta de inflação em 2016 apesar da recessão

Brasil prevê cumprir meta de inflação em 2016 apesar da recessão

A desaceleração dos preços em 2016 é um dos poucos sinais positivos apresentados pela economia brasileira e reverte uma forte trajectória de elevação registada no ano passado, quando a inflação chegou aos 10,67%.
Brasil prevê cumprir meta de inflação em 2016 apesar da recessão
Lusa 22 de dezembro de 2016 às 15:20
O relatório trimestral de inflação divulgado esta quinta-feira, 22 de Dezembro, pelo Banco Central do Brasil indica que a subida dos preços ficará dentro das previsões em 2016, apesar da grave crise económica que o país atravessa.

O órgão projectou uma inflação de 6,5% para este ano, limite superior da margem de dois pontos percentuais tolerada dentro da meta estabelecida em 4,5%.

Em 2017, o Banco Central estimou que o crescimento dos preços será de 4,4%. Para 2018 a expectativa é de que a inflação fique em 3,6%.

Nos próximos dois anos a meta estipulada para o reajuste e preços se mantém em 4,5% embora a margem tolerada seja menor (1,5%).

Num encontro com jornalistas, o director de Política Económica do Banco Central, Carlos Viana, confirmou a tendência de descida da inflação observada em 2016, mas disse que não há garantia de que a meta seja cumprida.

"Isto só saberemos isto em Janeiro quando o IPCA [Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, usado pelo país para medir a inflação] for divulgado", afirmou.

A desaceleração dos preços em 2016 é um dos poucos sinais positivos apresentados pela economia brasileira e reverte uma forte trajectória de elevação registada no ano passado, quando a inflação chegou aos 10,67%.

Além do cenário para a correcção dos preços, o relatório divulgado pelo Banco Central estimou que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deve crescer 0,8% em 2017, resultado inferior a projecção de Setembro quando a previsão de crescimento estava em 1,3%.

O Banco Central justificou a expectativa para o próximo ano afirmando que o novo número "é consistente com a probabilidade de que a retomada da actividade económica seja mais demorada e gradual que a antecipada previamente".

Neste ano o Governo brasileiro espera que o PIB do país registe uma contracção de 3,4%.

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 22.12.2016


Comemorações Oficiais

Ladrões PS- PCP- BE- FP- CGA - 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


MAIS UM ORÇAMENTO CRIMINOSO DA GERINGONÇA E DOS SEUS APOIANTES.

Mais despesa

Mais dívida

Mais juros

Mais impostos

MAIS DESIGUALDADE SOCIAL

comentários mais recentes
Anónimo 22.12.2016


Comemorações Oficiais

Ladrões PS- PCP- BE- FP- CGA - 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


MAIS UM ORÇAMENTO CRIMINOSO DA GERINGONÇA E DOS SEUS APOIANTES.

Mais despesa

Mais dívida

Mais juros

Mais impostos

MAIS DESIGUALDADE SOCIAL

pub
pub
pub
}
pub