União Europeia Brexit : União Europeia volta a pedir que Londres clarifique as suas posições

Brexit : União Europeia volta a pedir que Londres clarifique as suas posições

Jean-Claude Juncker e Michel Barnier alinharam o discurso no Parlamento Europeu: Londres tem de clarificar as suas posições ou adiar por um período mais alargado as negociações sobre a futura relação comercial.
Brexit : União Europeia volta a pedir que Londres clarifique as suas posições
Reuters
Ana Laranjeiro 03 de outubro de 2017 às 11:52

Jean-Claude Juncker e Michel Barnier estiveram esta terça-feira, 3 de Outubro, no Parlamento Europeu. E tanto o presidente da Comissão Europeia como o negociador-chefe da União Europeia nas negociações para a saída do Reino Unido do bloco económico enviaram a Londres uma mensagem clara: o Reino Unido tem de clarificar as suas posições em relação ao Brexit ou vai ter de adiar por mais tempo as negociações sobre a futura relação comercial entre o bloco e o Reino Unido.

"Não alcançamos ainda os progressos suficientes" para que as negociações avancem, disse Juncker, citado pela Bloomberg. "Não podemos falar do futuro sem uma clarificação real. O discurso da primeira-ministra em Florença foi conciliatório mas discursos não são posições negociais", acrescentou, em Estrasburgo.

Barnier, na sua intervenção no Parlamento Europeu, apontou que é necessária "uma interpretação consistente do acordo em que ambos os lados do Canal [da Mancha] que apenas o Tribunal Europeu de Justiça pode garantir". "Precisamos de ter uma aplicação directa do acordo de saída" do Reino Unido da União Europeia.

A mensagem transmitida pelos responsáveis europeus em si não é nova mas acaba por reforçar a posição da União a 27. Já no final da quarta ronda de negociações, que terminou na semana passada, Barnier tinha sustentado que tinham sido feitos a progressos mas suficientes para que as negociações avançassem para temas que Londres consideram quase como prioritários: a relação comercial e o período de transição.

Este fim-de-semana, Juncker foi menos optimista e adiantou que só por "milagre" é que haverá até final de Outubro progressos suficientes nas negociações com o Reino Unido sobre o Brexit que permitam iniciar a discussão sobre a futura relação. "Daqui até final de Outubro não teremos progressos suficientes, a não ser que aconteça um milagre", declarou Juncker.

Um discurso claramente contrastante com o de Theresa May, que à entrada para a cimeira de líderes europeus, na Estónia, dizia que estava "satisfeita por as negociações terem conhecido progressos". "Estou desejosa de desenvolver uma relação profunda e especial com a União Europeia, que considero que não é só do interesse do Reino Unido, mas também da UE".

Theresa May, há menos de duas semanas, fez um discurso em Florença (Itália) onde abordou várias áreas que envolvem o Brexit. Garantiu nomeadamente que o Reino Unido vai honrar os seus compromissos financeiros. "O Reino Unido vai honrar os compromissos que assumimos durante o período em que fomos membros".

A líder britânica esperava que com isto conseguisse mais alguma abertura por parte de Bruxelas e que, assim, começassem as negociações sobre a futura relação comercial entre o Reino Unido e a União Europeia. Ou seja, que Barnier indicasse aos líderes dos 27 que foram alcançados "progressos suficientes" em três temas centrais: direitos dos cidadãos expatriados, o valor da factura do Brexit e a questão da fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda. Algo que pode mesmo não acontecer.

Antes da cimeira europeia, a 19 e 20 de Outubro, vai decorrer uma nova ronda de negociações. Começará a 9 de Outubro e, no final da mesma, Michel Barnier vai ter de revelar se foram alcançados "progressos suficientes". Se for esse o caso, o responsável pode recomendar aos 27 que seja dado início as negociações relativas à futura relação comercial.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

siga Jean-Claude Juncker

pub
pub
pub
pub