União Europeia Brexit: "Falar de punição é lançar cortina de fumo", avisa Paris

Brexit: "Falar de punição é lançar cortina de fumo", avisa Paris

A França não tem a intenção de "punir" o Reino Unido pela sua decisão de abandonar a União Europeia, diz o ministro francês dos Negócios Estrangeiros.
Brexit: "Falar de punição é lançar cortina de fumo", avisa Paris
Negócios 19 de janeiro de 2017 às 12:35

A França não tem a intenção de "punir" o Reino Unido pela sua decisão de abandonar a União Europeia, respondeu o chefe da diplomacia francesa, Jean-Marc Ayrault (na foto) ao seu homólogo britânico, Boris Johnson.


"Não se trata de punir o Reino Unido, essa não é a posição da França", respondeu Ayrault a Boris Johnson, que na véspera afirmou que Londres não aceitará que lhe seja "imposto um correctivo", referindo-se explicitamente a declarações passadas do presidente francês François Hollande, segundo o qual o país não pode ambicionar a ter mais vantagens fora do que dentro da UE dos seus parceiros europeus.

Evocar uma punição "é uma cortina de fumo para permitir aos que defenderam o 'Brexit' minimizarem o impacto [que a escolha da sair da União Europeia] terá no seu povo, porque eles têm clara consciência das consequências negativas", afirmou o governante francês, citado pela Lusa.


"Não haverá 'cherry picking' (selecção discriminatória)", afirmou o ministro francês dos Negócios Estrangeiros em declarações à comunicação social, reiterando que não haverá uma Europa "a la carte" para os britânicos.


A primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou na terça-feira passada que o "Brexit" significa a saída do mercado único e defendeu uma ruptura "clara" com a UE que permita ao Reino Unido retomar o controlo da imigração. Em contrapartida, May quer da UE um amplo acordo de livre comércio e uma parceria estratégica, como as que a União reserva para as grandes potenciais mundiais.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 19.01.2017

Os franceses sentem-se frustrados por terem perdido toda a influencia no mundo; agora vao tentar ser os leaders da geringonca europeia; nao chegam la!!'.

pub
pub
pub
pub