União Europeia Brexit: Governo admite divórcio da UE a várias velocidades

Brexit: Governo admite divórcio da UE a várias velocidades

Londres admite que serão necessários períodos de transição diferenciados em diversas áreas para assegurar a introdução gradual de novas regras, designadamente para as comunidades estrangeiras. A portuguesa é a terceira maior a viver no Reino Unido, aponta o "Livro Branco" do governo de Theresa May.
Brexit: Governo admite divórcio da UE a várias velocidades
Neil Hall/Reuters
Eva Gaspar 02 de fevereiro de 2017 às 15:36

Cumprindo uma promessa exigida pelo parlamento britânico, o Governo de Theresa May publicou nesta quinta-feira, 2 de Fevereiro, o "Livro Branco" que, à partida, servirá de guião quer para as negociações de separação quer para as de criação de um novo quadro para regular as relações entre o Reino Unido e a União Europeia após o Brexit.


No essencial, o documento de 77 páginas reitera a estratégia e os 12 grandes princípios que a primeira-ministra já havia anunciado em meados de Janeiro. Mas o "Livro Branco" clarifica agora que o Governo admite como necessários períodos de transição diferenciados em diversas áreas para assegurar um divórcio mais suave, mediante a introdução gradual de novas regras. O objectivo é reduzir a incerteza e os custos de adaptação para a comunidade empresarial mas também para comunidade estrangeira – segundo o documento, a portuguesa é a terceira maior no Reino Unido, com mais de 200 mil pessoas.


"Não é do interesse de ninguém que haja um precipício para os negócios ou uma ameaça à estabilidade, à medida que mudamos da nossa relação existente para uma nova parceria com a UE", argumenta o Governo.


Londres diz que quer chegar a um acordo sobre os termos do divórcio e de um novo "casamento" no prazo de dois anos previsto no Tratado de Lisboa, ou seja, até Março de 2019, assumindo que o artigo 50.º será desencadeado até ao fim do próximo mês, como promete May. Mas "a partir desse momento, acreditamos que um processo de implementação gradual, no qual o Reino Unido, as instituições da UE e os Estados-Membros se preparem para os novos acordos que existirão entre nós, será do nosso interesse mútuo. Isso dará às empresas tempo suficiente para planearem e prepararem-se para esses novos arranjos".

Esses períodos transitórios podem aplicar-se sobre "os nossos controles de imigração, sistemas aduaneiros ou a maneira como cooperamos em questões de justiça criminal e civil"  ou podem também incidir sobre "o futuro quadro legal e regulamentar para as empresas". "Para cada questão, o tempo necessário para introduzir progressivamente os novos acordos pode ser diferente", acrescenta o documento. " Alguns podem ser introduzidos muito rapidamente, alguns podem levar mais tempo" mas "o Reino Unido não procurará de forma alguma um estatuto transitório ilimitado. Isso não seria bom para o Reino Unido e nem seria bom para a UE", sublinha o texto.


A publicação do "Livro Branco" surge no dia seguinte ao parlamento britânico ter realizado a primeira votação favorável sobre o projecto-lei que mandata o governo a activar formalmente o pedido de saída da UE.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Nem mais é correr com eles enquanto podemos e fazer-lhes a vida negra. Ingleses e não confudir com escoceses e outros é do pior q há acham-se sempre mais q os outros e pilham tudo, ainda hoje continuam a pilhar n fosse a diplomacia q têm eram dos mais pobres da europa.

Cardosao Há 3 semanas

Aqui não pode haver várias velocidades,não gostam e ainda querem mamar enquanto dura o festim.Como cidadão da Europa e de certo não sou único ,é correr de imediato com esta cambada de chulos.

Cardosao Há 3 semanas

Pôr esta cambada de usurpadores,que durante séculos viveram à custa do que foram roubando,a nivel da Europa e outros países de outros continentes era correr com eles de imediato.Não passam de uns penduras que sempre tiveram a mania que são mais do que a Europa.

Camponio da beira Há 3 semanas

Tipo : Devagar, devagarinho e parados ?

pub
pub
pub
pub