União Europeia Brexit: MNE defende Reino Unido fora do mercado interno para tornar país mais competitivo e global

Brexit: MNE defende Reino Unido fora do mercado interno para tornar país mais competitivo e global

O Brexit é um projecto que vai fazer do Reino Unido um país mais global e competitivo e livre dos constrangimentos impostos pela União Europeia (UE), defendeu hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson.
Brexit: MNE defende Reino Unido fora do mercado interno para tornar país mais competitivo e global
Reuters
Lusa 14 de fevereiro de 2018 às 12:43

"Para aqueles que se preocupam com a saída da união aduaneira ou do mercado único, lembrem-se de que os benefícios económicos da adesão não são tão visíveis ou irrefutáveis, como às vezes é reivindicado. Nos últimos anos, muitos países que não pertencem à UE tiveram um crescimento muito mais rápido das suas exportações para a UE do que nós, apesar de nós pagarmos uma bela taxa de adesão", afirmou hoje, num discurso em Londres.

O chefe da diplomacia britânica argumentou que "só assumindo o controlo das nossas leis é que as empresas e os empresários do Reino Unido terão a liberdade de inovar, sem o risco de ter que cumprir directrizes elaboradas por Bruxelas, criadas por pressão de um grupo de lóbi, com o objectivo de estorvar um concorrente do Reino Unido".

Embora claramente a favor da saída do mercado interno, o discurso de Johnson, um dos líderes da campanha pela saída do Reino Unido da UE, quis acalmar os receios opositores ao Brexit, oferecendo a visão optimista sobre o futuro.

Sair da UE, garantiu, no instituto de estudos Policy Change em Londres, "não é motivo de medo, mas de esperança", criticando aqueles que continuam a bloquear ou reverter o resultado do referendo de 23 de Junho de 2016, no qual 52% dos eleitores votaram a favor do Brexit.

Uma inversão de marcha deste processo, acredita, seria "um erro desastroso que levaria a sentimentos de traição permanentes e indeléveis. Não podemos e não vamos deixar isso acontecer".

Porém, também admite ser necessária uma aproximação daqueles que ainda têm preocupações e procurar unir o país neste desígnio e advertiu para o reacender da discórdia que iria provocar um novo referendo.

"Eu compreendo os medos de muitas pessoas que votaram para permanecer. Mas, na sua perseverança sobre a democracia e a sua abertura ao mundo, o Brexit é o grande projecto da nossa era", enfatizou.

O discurso de Boris Johnson em Londres é o primeiro de seis programados por membros do governo britânico, incluindo pela primeira-ministra, Theresa May, que vai abordar a questão da defesa.

A série de discursos, apelidada de "Rota para o Brexit", pretende oferecer maior clareza sobre os objectivos do Reino Unido quanto ao futuro relacionamento antes das negociações com a UE, que deverão começar após o Conselho Europeu de Março.

 

Além de May e Johnson, vão intervir o ministro para a Saída da UE, David Davis, o ministro do Comércio, Liam Fox, e o ministro de Estado adjunto, David Lidington.

A este conjunto de intervenções públicas está associada uma visita do ministro das Finanças, Philip Hammond, a vários países europeus, que incluem Portugal, mas também Noruega, Suécia, Holanda e Espanha.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 21.02.2018

Este só quer mamar há conta mas deixar mamar os outros , isso é que não...já é histórico não podiam fugir ao passado.

Out 14.02.2018

Get Out

Aldgate 14.02.2018

are you shure Cockney ?

Saber mais e Alertas
pub