União Europeia Brexit: Nova ronda com Londres a insistir no relacionamento com a UE pós-2019

Brexit: Nova ronda com Londres a insistir no relacionamento com a UE pós-2019

Arranca mais uma ronda de negociações para o Brexit. Londres continua a pressionar para que em cima da mesa esteja o relacionamento pós-Março de 2019. Bruxelas recusa abordar esse tema enquanto a factura e outras questões não estiverem afinadas.
Brexit: Nova ronda com Londres a insistir no relacionamento com a UE pós-2019
Reuters
Negócios com Reuters 28 de agosto de 2017 às 11:06

Os negociadores do Reino Unido e da União Europeia voltam esta segunda-feira, 28 de Agosto, à sentar-se à mesa. Nesta terceira ronda de negociações, Londres continua a pressionar para que seja debatido o relacionamento entre o Reino Unido e a União Europeia após a saída de Londres do bloco económico.

Contudo, Bruxelas só quer falar desse tema após outros assuntos, como a factura que Londres vai pagar, estejam solucionados. Ainda na semana passada, o chefe da diplomacia britânica admitiu que Londres vai ter de pagar uma factura pela saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

"Alguns dos valores que tenho ouvido são muito altos. Claro que vamos cumprir com as nossas obrigações", disse há dias "Não devemos pagar nem um cêntimo a mais nem um cêntimo a menos do que aquilo que pensamos serem as nossas obrigações legais", acrescentou citado pela Reuters.

Durante a tarde desta segunda-feira, Michel Barnier, líder das negociações por parte da União Europeia, e David Davis, responsável britânico pelas negociações, vão reunir-se antes que as negociações entre em questões mais técnicas, como os direitos dos cidadãos e a factura do Brexit, de acordo com a Reuters.

"Tanto o Reino Unido como a UE têm interesse em avançar rapidamente nas negociações e isso exige que se faça progressos suficientes nos direitos dos cidadãos e no acordo financeiro sobre a Irlanda", disse um dos elementos da UE envolvidos nas negociações. "As questões do divórcio devem ser relativamente simples de resolver. Por isso, não é uma questão do tempo que é preciso para [resolver] as complexidades técnicas, é uma questão de vontade política", acrescentou.

A questão da Irlanda tem contornos especialmente sensíveis dada a história – envolta em violência – que envolve a República da Irlanda e a Irlanda do Norte.

Este domingo, o Partido Trabalhista colocou alguma pressão sobre as negociações ao afirmar que manteria o Reino Unido no mercado único durante o período de transição. A 15 de Agosto, Londres apresentou uma proposta que prevê a criação de um período transitório após Março de 2019, em que se mantenha a isenção de taxas alfandegárias e inalterados os procedimentos administrativos.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub