União Europeia Brexit: Hollande quer "firmeza" na negociação perante uma saída "difícil" do Reino Unido

Brexit: Hollande quer "firmeza" na negociação perante uma saída "difícil" do Reino Unido

O chefe de Estado francês defendeu que para que a negociação do Brexit seja eficaz "tem de haver uma ameaça, tem de haver um risco, tem de haver um preço", porque caso contrário isso terá "consequências económicas e humanas".
Brexit: Hollande quer "firmeza" na negociação perante uma saída "difícil" do Reino Unido
Reuters
Lusa 07 de Outubro de 2016 às 09:04
O Presidente francês, François Hollande, considera que a União Europeia tem de negociar com "firmeza" a saída dos britânicos da União Europeia, já que os próprios optaram por um 'brexit' "difícil".

"O Reino Unido decidiu por um 'brexit' e creio que um 'brexit' difícil. Há que retirar todas as consequências da vontade dos britânicos de sair da União Europeia", assinalou Hollande na quinta-feira à noite num discurso no âmbito do 25.º aniversário do Instituto Jacques Delors.

"Temos de ser firmes. Se não somos firmes, será questionado o próprio espírito da União Europeia" e "outros países ou partidos" poderiam sentir-se tentados a sair da União para obterem "alegadas vantagens", indicou.

"A firmeza é a garantia de que Europa poderá manter os seus princípios, e em particular as quatro liberdades, a liberdade de circulação", acrescentou.

O chefe de Estado francês defendeu que para que essa negociação seja eficaz "tem de haver uma ameaça, tem de haver um risco, tem de haver um preço", porque caso contrário isso terá "consequências económicas e humanas".

Hollande insistiu que o resultado do referendo de 23 de Junho não se deve "à intransigência da Europa" para com o Reino Unido.

Segundo a sua análise, o voto desse referendo "jogou essencialmente com a imigração, com a vida em comum, com a aceitação do outro, que neste caso era europeu".



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

A Eurolândia hipócrita e agiota quer mandar na vontade das populações de todos os países.
Este franciu playboy falhado, pau mandado da Merkel e Schauble como não consegue cumprir o défice e o País afunda,quer se safar. Tal e qual o "nosso" Victor Gaspar e Coelho.

beachboy Há 3 semanas

...valente!...

pub
pub
pub
pub