Economia Bruxelas abre processo contra a Polónia

Bruxelas abre processo contra a Polónia

A Comissão Europeia iniciou este sábado um procedimento de infracção contra a Polónia no seguimento da publicação de uma nova lei que, no entender de Bruxelas, mina a independência dos tribunais ordinários polacos. Governo polaco responde que Justiça é competência dos Estados-membros.
Bruxelas abre processo contra a Polónia
Andrzej Duda, presidente da Polónia
Reuters
Lusa 29 de julho de 2017 às 13:03

"A Comissão Europeia lançou um procedimento de infracção contra a Polónia, através de carta de notificação formal, no seguimento da publicação no diário oficial polaco, na sexta-feira, 28 de Julho, da Lei sobre a organização das jurisdições de direito comum", indicou a Comissão Europeia, em comunicado.

 

Bruxelas deu um mês à Polónia para responder a este procedimento, que - em última instância - pode resultar em sanções financeiras.

 

A decisão de hoje da Comissão Europeia surge dias depois de o Presidente polaco, Andrzej Duda, ter anunciado o veto a duas leis que permitiriam ao partido no poder (Partido Lei e Justiça, PiS) controlar o Supremo Tribunal de Justiça, pondo em causa a independência do sistema judicial na Polónia.

 

O veto a duas das três leis aprovadas recentemente pelo Parlamento visa, paralelamente, pôr cobro, definitivamente, aos protestos generalizados da população, que acusam o executivo de querer dominar o sistema judicial na Polónia.

 

Uma das leis visa pôr o Supremo Tribunal de justiça sob controlo político do partido no poder, dando ao ministro da Justiça polaco, que é também Procurador-Geral da República, o poder de nomear juízes.

 

O Presidente Andrzej Duda argumentou que o Procurador-Geral não pode ter essas competências.

 

O Partido Lei e Justiça (PiS) é uma formação política da ala direita, de cariz populista.

Polónia responde a Bruxelas que Justiça é competência dos Estados-membros

O ministro polaco dos Assuntos Europeus disse hoje que o seu Governo considera "infundadas" as medidas da Comissão Europeia contra a reforma judicial do seu país e argumentou que Bruxelas está a entrar nas competências dos Estados-membros.

 

"A organização da justiça e dos tribunais é da responsabilidade dos Estados-membros", disse hoje Konrad Szymanski, segundo o portal de notícias Polityce.pl.

 

O porta-voz do Governo polaco, Rafal Bochenek, já tinha criticado a "chantagem dos funcionários da União Europeia", dizendo que "não se baseia em factos, mas em suposições" e garantido que as leis em causa são "conformes à Constituição e ao ordenamento jurídico" polaco.

 

Bochenek acrescentou ainda que o Governo "respeita os valores democráticos" e que "nenhum projecto de lei para reformar o sistema judicial reduz a independência dos juízes e dos tribunais".




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz 30.07.2017

ESTA GENTALHA DE LESTE NUNCA SERÁ DE FIAR... !

pub