Cultura Bruxelas "barra" candidatura de cidades britânicas a capital europeia da cultura

Bruxelas "barra" candidatura de cidades britânicas a capital europeia da cultura

Com a saída da União Europeia, Bruxelas sustenta que as cinco cidades britânicas não se podem candidatar a receber a capital europeia da cultura em 2023. Londres contesta.
Bruxelas "barra" candidatura de cidades britânicas a capital europeia da cultura
Negócios 23 de novembro de 2017 às 18:06
A Comissão Europeia avisou as autoridades britânicas que, com o processo de saída do Reino Unido da União Europeia, as cidades do Reino Unido candidatas a capital europeia da cultura devem abandonar as suas candidaturas.

Esta é a mais recente consequência da decisão de Londres em prosseguir com o Brexit, apesar de o estatuto estar aberto a candidaturas de cidades europeias fora do bloco dos 28 da UE, frisa o jornal Standard. Em causa estão cinco candidaturas a capital da cultura em 2023: Dundee, Nottingham, Leeds, Milton Keynes e a proposta conjunta de Belfast, Londonderry e Strabane.

O departamento governamental com a área da cultura manifestou desacordo com a decisão da Comissão e disse-se "profundamente desiludida" por a comunicação não ter sido feita antes das cidades apresentarem as suas candidaturas finais, no mês passado. "Não estamos a abandonar a Europa," insistiu aquela entidade.

A escolha da capital europeia da cultura é rotativa, entre os vários países europeus, e o Reino Unido deveria ser o escolhido para a edição de 2023. Fora da UE já foram anteriormente galardoados com o estatuto as cidades turca de Istambul, a norueguesa Stavanger e a capital islandesa, Reiquiavique.

"De acordo com as regras adoptadas pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho (…) esta acção não está aberta a países terceiros, excepto países candidatos e países da Associação Europeia do Livre Comércio/países da Área Económica Europeia," disse uma porta-voz da Comissão.

"Continuamos comprometidos em trabalhar com as cinco cidades britânicas que apresentaram candidaturas, para as ajudarmos a materializar as suas ambições culturais e estamos em discussões urgentes com a Comissão sobre o assunto," afirmou por seu turno o representante do departamento britânico da cultura.

A saída do Reino Unido da União Europeia está aprazada para o dia 29 de Março de 2019, o que exclui assim as cidades britânicas de serem capitais da cultura na edição que se realiza quatro anos depois.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Invicta Há 3 semanas

Mas está tudo doido, ou quê? O que tem a ver uma coisa com a outra? O Reino Unido por sair da CE, não continua a pertencer à Europa? Por acaso, a CE representa toda a Europa? Mas que mesquinhês e prepotência, que nada auguram de bom para ambos os lados.

MAI NADA ! Há 3 semanas

Mai nada !
Assim é que se lida com os "beefs", que sempre tiveram a mania de cagar em cima dos outros ou, dito de outro modo, sempre, ao longo da sua história, enquanto potência mundial - QUE JÁ NÃO SÃO -, humilharam os outros e roubaram o que quiseram.

PORTUGAL TEM BOA EXPERIÊNCIA DISSO.

Anónimo Há 3 semanas

É vergonhosa a chantagem que a UE está a fazer com o UK.
Abandonar a UE não é a mesma coisa que abandonar a Europa. Essa ligação é umbilical. Já existia milhares de anos antes da UE ser sequer pensada.

Valt Há 3 semanas

É os custos de só olharem para o vosso umbigo.

pub