Segurança Social Bruxelas defendeu cautela no fim dos cortes nas pensões
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Bruxelas defendeu cautela no fim dos cortes nas pensões

Bruxelas pediu cuidado nas alterações às pensões antecipadas, precisamente para evitar transferências extraordinárias. E o Governo moderou a ambição.
Bruxelas defendeu cautela no fim dos cortes nas pensões
Miguel Baltazar/Negócios
Catarina Almeida Pereira 05 de novembro de 2017 às 23:18

A relevância de elaborar um orçamento da Segurança Social que prescinda de transferências extraordinárias – como agora faz o Governo – tem sido sublinhada pela Comissão Europeia, que para isso recomendou

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Com tanta entrada de dinheiros através da TSU ( via "grande baixa de desemprego")?? Será que a UE desconfia de roubo tipo ladroagem44/xexe?

Anónimo Há 2 semanas

A economia portuguesa, subjugada às vontades de revolucionárias mentalidades reinantes presas a um passado tão longínquo que parece o de outro mundo e ao peculiar sistema político-legal em vigor que dali resultou, frontalmente anti-mercado, delirantemente marxista, obtusamente proteccionista, irresponsavelmente keynesiano, convenientemente neoludita e criminosamente corrupto, não consegue criar condições para atrair o melhor e mais adequado talento e capital disponível a cada momento no mercado de factores externo, nem tão pouco fixar o que cá vai sendo gerado. Os custos desta ignóbil imprudência, assente na extracção de valor e avessa à criação daquele, são sobejamente conhecidos. observador.pt/2017/11/02/economia-portuguesa-esta-presa-por-quatro-grandes-arames/

Anónimo Há 2 semanas

Afinal Bruxelas manda ,nao tens massa para as reformas?VAI trabalhar malandro

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub