Conjuntura Bruxelas mais pessimista em véspera de avaliar OE

Bruxelas mais pessimista em véspera de avaliar OE

Comissão corta previsões, mostra-se mais pessimista que Governo e não vê esforço de consolidação orçamental. Porém, Bruxelas não antecipa juízo sobre Orçamento para 2017 e pede paciência. Cenário macroeconómico pode ainda ser pior. Os riscos são em baixa.
Bruxelas mais pessimista em véspera de avaliar OE
Bruno Simão
Marta Moitinho Oliveira 09 de Novembro de 2016 às 22:30
A Comissão Europeia cortou as previsões para Portugal e está mais pessimista do que o Governo quanto ao crescimento da economia e à evolução da situação orçamental. A uma semana de assumir uma posição sobre o Orçamento do Estado para 2017,  Bruxelas revela que não vê qualquer esforço de correcção do défice estrutural no próximo ano. Mais: os riscos em torno das previsões são descendentes o que significa que o  distanciamento entre os executivos comunitário e português pode ainda ser maior. Em matéria orçamental, mantém-se a diferença de cerca de 1.100 milhões de euros.

Nas previsões de Outono, divulgadas esta quarta-feira, Bruxelas prevê que o PIB cresça este ano 0,9% e 1,2% em 2017. Em Maio, a Comissão apontava para 1,5% e 1,7%, respectivamente.  Quanto ao défice, o executivo comunitário aponta para um desequilíbrio igual a 2,7% do PIB este ano e 2,2% em 2017. Nas últimas projecções, feitas em Maio, a Comissão apontava para um défice de 2,7% este ano e 2,3% no próximo.

Apesar destas projecções colocarem sempre o défice abaixo do limite dos 3% imposto pelo Pacto de Estabilidade e Crescimento, elas configuram um cenário pior do que aquele que o Governo apresenta no Orçamento do Estado para 2017. Isto porque, a Comissão não melhorou a previsão que tem para este  ano apesar das garantias dadas pelo ministro das Finanças no âmbito do processo para evitar as sanções a Portugal. Isto significa que Bruxelas considera que Portugal ficará com um défice acima do limite dado então ao Governo português e que apontava para  2,5%.
Para 2017, as perspectivas também não são melhores. Bruxelas espera um défice que fica 0,6 pontos acima da projecção que Mário Centeno inscreveu no Orçamento. O que quer dizer que Bruxelas e Lisboa estão separadas por cerca de 1.100 milhões de euros, uma diferença que já não vem de agora.  Esta é, aliás, a mesma divergência que se regista quando se compara a evolução do saldo estrutural. No Orçamento, o Governo promete um esforço de consolidação orçamental de 0,6 pontos, mas a Comissão antevê que o défice estrutural fique inalterado, "visto que é expectável que o impacto das medidas discricionárias [tomadas pelo Governo] seja neutro".

No entanto, Bruxelas não quis antecipar que consequências poderão advir de um não cumprimento do ritmo de redução do défice estrutural, uma área em relação à qual o Governo português tem sido muito crítico relativamente a Bruxelas. Pierre Moscovici, comissário europeu para os assuntos económicos e monetários, confirmou que teve "uma troca de pontos de vista" com Mário Centeno, que o défice vai baixar dos 2,7% para os 2,2% do PIB no próximo ano, e que "o equilíbrio estrutural em princípio vai ficar mais ou menos igual nos dois anos". Mas nada mais disse, a não ser pedir paciência aos jornalistas. O parecer de Bruxelas sobre o Orçamento deverá ser conhecido a 16 de Novembro.

Segundo a Comissão, estas previsões podem, porém, ser ainda piores se se materializarem os riscos descendentes identificados. A Comissão vê fragilidade no investimento e lembra que existem incertezas que recaem sobre as metas orçamentais (tais como o quadro macoeconómico, o potencial impacto de medidas de apoio à banca e possíveis derrapagens na despesa).

Apesar deste cenário, a Comissão está mais optimista do que o Governo quanto à evolução do mercado de trabalho. As projecções actuais são melhores do que as apresentadas em Maio e são mais optimistas do que as do Governo, ainda que de forma ligeira. O exercício de Bruxelas, que se prolonga para 2018, mostra que nesse ano, a taxa de desemprego pode ficar abaixo dos 10%.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
SÍTIO MUITO MANHOSO Há 19 horas


... É NORMAL !

OS GATUNOS NUNCA ESTÃO SATISFEITOS COM A MISÉRIA QUE SEMEIAM . . .

ACABEM COM O QUE NUNCA EXISTIU ! ! !

pertinaz Há 20 horas

O DIABO ESTÁ NOS DETALHES

ESTE DESGOVERNO NÃO É CONFIÁVEL

ENCONTRAM-SE TRAMBIQUICES SEMPRE QUE SE ANALISAM OS DOCUMENTOS AO PORMENOR

VAMOS A CAMINHO DO ABISMO

pub
pub
pub
pub