Conjuntura Bruxelas sobe previsão de crescimento para Portugal

Bruxelas sobe previsão de crescimento para Portugal

A Comissão Europeia espera que a economia portuguesa cresça 1,6% neste ano, acima da previsão do governo e em linha com a média da Zona Euro. No ano passado, o PIB terá crescido 1,3%.
A carregar o vídeo ...
Eva Gaspar 13 de fevereiro de 2017 às 10:07

A Comissão Europeia espera que a economia portuguesa cresça 1,6% neste ano, em linha com a média da Zona Euro, acima da sua anterior previsão (1,2%) e da previsão do governo, de 1,5%. No ano passado, o PIB terá crescido 1,3%, também acima da anterior previsão de Bruxelas (0,9%) e do governo (1,2%), embora abaixo da média do euro (1,7%) e do valor registado no ano anterior (1,6%).

Os novos números foram divulgados nesta segunda-feira, 13 de Fevereiro, com Bruxelas a salientar o papel do turismo na dinamização da economia, em particular na segunda metade do ano passado, e a alertar para o risco de o crescimento deste ano ser penalizado pelos problemas de persistem na banca e que podem travar o investimento, que caiu acentuadamente no ano passado.

A sustentar a recuperação da economia neste ano e no próximo está a expectativa de aceleração do investimento e das exportações; já o consumo privado deverá continuar a desacelerar, e de forma mais acentuada (ver quadro abaixo).


As anteriores previsões da Comissão, publicadas no Outono, 
apontavam para uma taxa de crescimento do PIB 1,2% em 2017, com o défice a ficar em 2,2% do PIB, valor agora também revisto em baixa para 2% do PIB, mas que fica ainda acima do antecipado no Orçamento do Estado. O Executivo espera que a economia cresça 1,5% e que o défice recue para 1,6% neste ano. 

Para 2018, Bruxelas prevê uma aceleração na Zona Euro (1,8%) mas uma desaceleração da economia portuguesa, antecipando uma taxa de crescimento de 1,5% - só Itália deverá fazer pior (1,1%). Esse menor crescimento será acompanhado de uma deterioração do défice orçamental para 2,2% do PIB e de nova uma subida do défice estrutural, que deverá agravar-se de 2,2% do PIB em 2015 para 2,6% em 2018. 




Menos desemprego, menos emprego, menos população activa

Já o desemprego deverá continuar a recuar. Nas novas previsões, Bruxelas mantém practicamente inalterados os anteriores números e espera que a taxa de desemprego recue para 10,1% no final deste ano e para 9,4% no final de 2018, o que comparará com 11,2% em 2016.  

"A forte época turística [em 2016] apoiou quer a criação do emprego quer os salários", escreve Bruxelas, ao antecipar que, em simultâneo, se observe uma redução da capacidade de criação de postos de trabalho. O crescimento do emprego deverá desacelerar gradualmente de 1,3% em 2016 para 0,6% em 2018, em resultado da "recente recuperação dos salários que deverá travar a procura de mão-de-obra" mas também porque o país "deverá começar a sentir os efeitos da diminuição da população activa".


(notícia actualizada às 12:01 pela última vez)



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub