Conjuntura Bruxelas volta a rever em alta crescimento de Portugal

Bruxelas volta a rever em alta crescimento de Portugal

A Comissão Europeia está mais optimista sobre o crescimento económico português, embora espere um arrefecimento este ano e no próximo, mostram as previsões de Inverno.
Bruxelas volta a rever em alta crescimento de Portugal
Reuters
Nuno Aguiar 07 de fevereiro de 2018 às 11:30

A economia portuguesa cresceu mais do que se esperava em 2017 e deverá repetir o feito em 2018. Pelo menos é essa a opinião dos técnicos de Bruxelas, que estimam um avanço do PIB de 2,7% e 2,2% nesses dois anos. Uma revisão em alta de 0,1 pontos percentuais em cada um dos casos.

 

Os valores estão inscritos nas previsões de Inverno da Comissão, divulgadas esta quarta-feira, 7 de Fevereiro. Bruxelas nota que o consumo privado se fortaleceu na segunda metade do ano passado - apoiado na compra de bens duradouros – e que as exportações gozaram de um ano forte, graças "à melhoria do sentimento económico por toda a Europa e ao aumento da capacidade produtiva do maior produtor automóvel de Portugal". Leia-se, a Autoeuropa. Embora a venda de bens deva abrandar nos próximos trimestres, Bruxelas espera que continue a crescer mais rápido do que a procura interna, "cuja contribuição para o crescimento deverá cair depois de um desempenho muito forte em 2017", lê-se no documento.

 

Tudo somado, a economia portuguesa terá crescido 2,7% no ano passado, desacelerando para 2,2% este ano e para 1,9% em 2019 (também revisto em alta em 0,1 pontos). Estas previsões da Comissão marcam um grande contraste com as estimativas que eram divulgadas há um ano pela mesma instituição. No Inverno de 2017, Bruxelas esperava que a economia portuguesa crescesse 1,6% nesse ano e 1,5% em 2018.

As previsões da Comissão para o crescimento ficam também acima das mais recentes estimativas do Governo no Orçamento do Estado de 2018 para o ano passado (2,6%) e em linha com a sua expectativa para este ano (2,2%).

 

No que diz respeito ao mercado de trabalho, a Comissão destaca a criação de emprego no turismo, o que ajudou a descer o desemprego, mas penalizou a produtividade. "Esta recuperação rica em emprego reduziu significativamente tanto a taxa de desemprego como o desemprego de longa duração para os valores mais baixos desde 2004", referem os técnicos de Bruxelas.

 




pub