Economia Bruxelas recebe Orçamento que quer tirar país de défice excessivo

Bruxelas recebe Orçamento que quer tirar país de défice excessivo

O Governo envia para a Comissão o plano orçamental para 2017 e o relatório que detalha como fechará 2016 com um défice de 2,4% do PIB. Espera convencer com uma cativação de despesa de 445 milhões de euros e a promessa de baixar o défice estrutural de 2017 em 0,6 pontos.
Bruxelas recebe Orçamento que quer tirar país de défice excessivo
Bloomberg
Rui Peres Jorge 17 de Outubro de 2016 às 06:30

A Comissão Europeia recebe hoje dois documentos essenciais para o futuro da política nacional e das relações entre Portugal e a União Europeia. Em causa está a possibilidade do país se livrar do risco de novas sanções no curto prazo, de evitar a eventual suspensão de compromissos de fundos comunitários até ao final do ano, e de se aproximar do fecho do Procedimentos dos Défices Excessivos  (PDE) aberto ao país em 2009.


O Ministério das Finanças enviará para Bruxelas o esboço orçamental com as principais linhas de política económica e orçamental para 2017, e um relatório de "acção efectiva" a que ficou obrigado no âmbito do agravamento do PDE decidido ao país em Julho por mau desempenho orçamental entre 2012 e 2015.


Na sequência dessa decisão, o Conselho, por proposta da Comissão Europeia, livrou o país de sanções pecuniárias e adiou a decisão de uma possível suspensão de fundos comunitários para o final deste ano, mas emitiu uma nova recomendação ao país com duas exigências orçamentais: fechar 2016 com um défice de 2,5% do PIB, estabilizando o saldo orçamental estrutural (o que desconta o efeito do ciclo económico); e baixar o saldo estrutural em mais 0,6 pontos em 2017.


Para controlar o desempenho de Lisboa, a Comissão contava já com a obrigatoriedade do Executivo enviar para validação o plano orçamental de 2017 (o que será feito por todos os Estados-membros). A esse mecanismo juntou a exigência de receber um relatório de "acção efectiva" até 15 de Outubro com as medidas necessárias para garantir os défices global e estrutural de 2016.

Agora, para convencer Bruxelas, o Governo apresenta dois argumentos. Por um lado, manterá cativos 445 milhões de euros de despesa que não será realizada até ao final do ano. Com esta medida de urgência, que se adivinha central na estratégia desenhada no relatório de acção efectiva, Mário Centeno promete fechar 2016 com resultados melhores que os recomendados: um défice global de 2,4% do PIB e uma redução do saldo estrutural de 0,2 pontos. Por outro lado, promete um corte no saldo estrutural de 0,6 pontos em 2017.


Os serviços da Comissão Europeia receberão e começarão hoje a analisar ambos os documentos, sendo de esperar que se pronunciem até meados de Novembro. Mas poderão surgir notícias antes disso: caso as contas do Governo apresentem desvios significativos face às recomendações para 2017, Bruxelas poderá devolver o orçamento a Lisboa para reformulação até ao final do mês.

Em Janeiro, no primeiro exercício orçamental de Mário Centeno, houve um choque frontal entre Lisboa e Bruxelas, que levou à ameaça de devolução e obrigou o Governo a encontrar mil milhões de euros de medidas adicionais de consolidação.


Em entrevista ao Negócios, publicada segunda-feira, dia 17 de Outubro, o ministro das Finanças garante que, desta vez, não tem "nenhuma preocupação" com o tema, dadas as conversas que tem mantido com a Comissão Europeia, garantido ao mesmo tempo que a "comunicação" entre os dois lados está muito melhor.

Se convencer Bruxelas, o Governo poderá ver suspenso o agravamento do PDE decidido em Julho (o que poderá evitar a suspensão de fundos comunitários e afastará o risco de novas multas), e abrirá caminho ao fecho do PDE em meados do próximo ano.



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas



PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


Novas pensões mínimas serão sujeitas a prova de rendimento...

para se gastar mais dinheiros com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)


comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 3 semanas

Esperemos que pelo menos estes detectem as ALDRABICES!

Anónimo Há 3 semanas



A MALTA DA ESQUERDA É COMPOSTA POR DOIS GRUPOS:


1 - Os LADRÕES (Inclui os FP e seus pensionistas): que andam a encher os bolsos à custa dos portugueses;

2 - Os BURROS: que ajudam os anteriores a roubar o povo, em nome da ideologia.

Anónimo Há 3 semanas



PS ROUBA A VIDA A 500.000 TRABALHADORES

EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios da FP e seus pensionistas.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)


Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP - são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub