Política Monetária Bullard: Só "uma surpresa" impedirá aumento de juros em Dezembro

Bullard: Só "uma surpresa" impedirá aumento de juros em Dezembro

O membro da Fed, James Bullard, afirma que a Reserva Federal terá de lidar com possível incerteza criada por agentes políticos (nomeadamente Trump) "o melhor que pudermos", mas que esse não é o cenário esperado pelo comité de política monetária.
Bullard: Só "uma surpresa" impedirá aumento de juros em Dezembro
Bloomberg
O membro da Reserva Federal, James Bullard, afirma que apenas uma surpresa travará um novo aumento dos juros nos EUA em Dezembro, que a Fed terá de responder a qualquer incerteza económica criada por "agentes políticos" e que os mercados internacionais reagiram melhor do que o esperado à eleição de Donald Trump.

"Neste momento, era preciso uma surpresa" para que a Fed não aumente os juros na última reunião do ano, afirmou esta quarta-feira em Londres o responsável do comité de política monetária da autoridade norte-americana, citado pela Reuters.

Entre as causas possíveis para uma eventual travagem no aumento do preço do dinheiro estariam um aumento da volatilidade dos mercados financeiros ou uma deterioração dos dados do emprego nos Estados Unidos, tal como aconteceu no passado.

O mercado já dá como certo que a próxima subida dos juros por parte da Reserva Federal aconteça no mês de Dezembro. Apesar de terem avisado que a vitória de Trump deveria adiar a decisão, os analistas mudaram de ideias. Uma semana depois da eleição do candidato republicano, as apostas na subida dos juros em Dezembro escalaram para 94%, o nível mais alto este ano.

Isto porque os planos de Trump para a economia estão a alimentar a especulação de que tanto o crescimento do PIB como da inflação deverão acelerar, levando a Fed a aumentar o ritmo de subida dos juros.


Questionado sobre como a Fed se comportará no caso de as políticas de Trump terem um efeito de destabilização nos mercados, Bullard afirmou que "teremos de lidar com isso o melhor que pudermos. (...) Se os agentes políticos criarem incerteza, teremos de reagir a isso," afirmou, sublinhando no entanto que não é esse o cenário esperado.



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub