Justiça Buscas no Benfica visaram documentos contabilísticos e Filipe Vieira ainda não é arguido

Buscas no Benfica visaram documentos contabilísticos e Filipe Vieira ainda não é arguido

O advogado do Benfica, João Correia, afirmou que as buscas realizadas hoje pela PJ na SAD do clube visaram documentos contabilísticos, admitindo que o presidente da instituição, Luís Filipe Vieira, venha a ser constituído arguido.
Buscas no Benfica visaram documentos contabilísticos e Filipe Vieira ainda não é arguido
Lusa 30 de janeiro de 2018 às 16:00

Falando aos jornalistas no Campus da Justiça, em Lisboa, João Correia, que esteve presente nas buscas na SAD, adiantou que a Polícia Judiciária (PJ) levou "documentação contabilística" relacionada com algumas personalidades ligadas ao Benfica, mas não com a actividade concreta do clube.

 

O advogado disse que Luís Filipe Vieira, em cuja residência também houve buscas, não foi constituído arguido, mas admite essa possibilidade.

 

"Em função da marcha do processo, pode vir a ser [arguido], embora as conexões entre o que lá está e ele [Vieira] sejam de tal forma frágeis que presumo que não será", ressalvou.

 

João Correia declinou fornecer detalhes sobre os crimes em causa, invocando que os factos estão em segredo de justiça, e acusou o Ministério Público de ter uma atitude "parcial" em relação ao Benfica.

 

"Há uma opção parcial e parcelar de alguns sectores do Ministério Público em relação ao Benfica", declarou, acrescentando que há "comportamentos de outros" que não têm a mesma resposta.

 

A PJ deteve hoje cinco pessoas e constituiu vários arguidos numa operação a nível nacional para confirmar a eventual prática dos crimes de corrupção, recebimento indevido de vantagem, branqueamento, tráfico de influências e fraude fiscal qualificada.

 

Esta operação, denominada "Lex", foi realizada pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) e decorreu no âmbito de um inquérito que corre termos no Supremo Tribunal de Justiça, coadjuvado pelo Departamento Central Investigação e Acção Penal.

 

Um comunicado da Polícia Judiciária adianta que durante a operação foram realizadas trinta e três buscas, sendo vinte domiciliárias, três a escritórios de advogados, sete a empresas e três a postos de trabalho.

 

Fonte da PJ disse à Lusa na manhã de hoje que as buscas realizadas incluíam a casa e o gabinete do juiz desembargador do Tribunal de Relação de Lisboa Rui Rangel, a SAD do Benfica, a casa do presidente do clube, Luís Filipe Vieira, assim como residências da ex-mulher de Rui Rangel, a juíza Fátima Galante, do advogado José Sousa Martins e do seu filho.

 




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Água Ráz 30.01.2018

O meu filho sempre me disse : "pai o Pinto da Costa é o homem mais sério que anda no futebol e por isso tudo têm feito para o destruir e ao FCP" . Hoje temos a prova que os 2 clubes de Lisboa vivem de traficância e de dinheiros roubados ao povo com a falência dos bancos e fazem concorrência desleal

Invicta 30.01.2018

Para haver alguma moralidade no futebol, os clubes todos tinham de ser vasculhados a pente fino. É muita bandalheira junta.

37 30.01.2018

Estranho investigam a contabilidade do Benfica mas o clube não tem nada a ver com isso !Esta só pode vir dos Guerras ,dos Bernardos ou dos Correias para não falar da chusma acoitada por trás da porta 18

CONTRIBUINTES NÃO TÊM DE PAGAR O CALOTE DE LFV 30.01.2018

Todos sabemos, infelizmente, como as coisas se processam, nesta país.
As dívidas ao NOVO BANCO acabam, mais tarde ou mais cedo, por ser pagas com o nosso bolso de contribuintes.
QUE IRÁ SUCEDER À DÍVIDA DESTE TIPO AO NOVO BANCO, DE MAIS DE SEISCENTOS MILHÕES DE EUROS ?
É para ser paga por nós ?

ver mais comentários
pub