Finanças Públicas Cabo Verde negoceia perdão de 200 milhões de dívida com Portugal  

Cabo Verde negoceia perdão de 200 milhões de dívida com Portugal  

O perdão da dívida de 200 milhões de euros contraída com Portugal para financiar o programa habitacional "Casa para Todos" é uma possibilidade que está a ser negociada com o governo português, disse hoje o primeiro-ministro de Cabo Verde. 
Cabo Verde negoceia perdão de 200 milhões de dívida com Portugal  
Lusa 13 de fevereiro de 2017 às 17:40

Ulisses Correia e Silva falava hoje aos jornalistas no âmbito da assinatura de um memorando que transfere para as autarquias a gestão de 2.048 casas do referido programa.

 

"Está sobre a mesa. Não diria a totalidade, mas se for parcial seria muito bom", disse Ulisses Correia e Silva, adiantando que as negociações decorrem com o Governo português e que está igualmente em estudo a reestruturação do pagamento do valor em dívida.

 

"Estamos a negociar na possibilidade de reestruturação da dívida, tendo em conta que começa a vencer em 2021. Os encargos são elevadíssimos para um projecto que não tem rendimento em termos de retorno. Com a reestruturação da dívida ou com o perdão total ou parcial da dívida estaríamos em condições de pagar menos em termos de Dívida Pública", disse.

 

Para Ulisses Correia "óptimo, seria o perdão da dívida", mas o primeiro-ministro cabo-verdiano adiantou que se tal não for possível "há portas abertas para a renegociação".

 

O programa "Casa para Todos", gerido pela Imobiliária Fundiária e Habitat (IFH), foi lançado pelos governos do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), agora na oposição, e financiado ao abrigo de uma linha de crédito portuguesa de 200 milhões de euros.

 

As casas estão a ser construídas por consórcios de empresas cabo-verdianas (19) e portuguesas (22), como parte das condições do empréstimo negociadas com Portugal.

 

O programa previa a construção de 5.920 casas com o objectivo de reduzir o défice habitacional no país, mas registou vários problemas e além da dívida da linha de crédito acumulou dívidas em indemnizações e juros de mora às empresas construtoras.

 

O actual governo decidiu transferir a gestão das casas destinadas ao arrendamento para pessoas de baixos rendimentos (Classe A) para as autarquias, tendo sido assinado hoje um memorando com a Associação de Municípios de Cabo Verde que abrange 2.088 casas, que passarão a ser atribuídas e geridas directamente pelos concelhos onde estão instaladas.

 

Das 5.920 casas previstas, 3.872 estão ainda em fase de construção e 2.048 foram já concluídas.

 

Ulisses Correia e Silva adiantou que o conceito "Programa Casa para todos" deixou de existir, mas afirmou o compromisso do Governo para que a "componente social" das habitações se mantenha.

 

Por outro lado, explicou que a colocação para venda no mercado habitacional das casas de Classe B e C dará prioridade aos jovens à procura de primeira habitação e às pessoas com deficiência que terão acesso a crédito com juros bonificados.

 

Questionado sobre os resultados de uma auditoria feita ao programa e hoje divulgada, Ulisses Correia e Silva sublinhou que o programa revelava, à partida, "problemas de viabilidade económica e financeira" por causa da dívida contraída, mas também porque falta na economia cabo-verdiana de crédito para financiar a compra das casas nos moldes inicialmente previstos.

 

"É um problema grande que representa mais de 15% do Produto Interno Bruto (PIB) e que vai ter que se pagar. Estamos à procura das melhores soluções para minimizar impactos sobre o IFH e sobre o país", disse.

 

Por seu lado, o presidente do IFH, Francisco Neves, adiantou que foram já consumidos no programa 160 milhões de euros do total da linha de crédito com Portugal, faltando investir 39,5 milhões.

 

Valor que não deverá ser suficiente para concluir todas as obras devido às derrapagens, aos juros de mora e ao pagamento de indemnizações aos empreiteiros por causa das falhas nos prazos.

 

Estima-se, por isso, que sejam necessários mais cerca de 18 milhões de euros para concluir todas as obras previstas.

 

A dívida de 200 milhões a Portugal será um dos assuntos a abordar entre os dois governos durante a IV Cimeira Portugal-Cabo Verde, que decorre, na próxima semana, na cidade da Praia.

 




A sua opinião17
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Wl 18.02.2017

Foi para isso que pediram a independência??
Portugal, toma eles de volta
Uma autonomia é o mínimo aceitável

Critica 14.02.2017

Ele não queriam a independência? Então que a gramem mais as correspondentes consequências. Eles não gostam de trabalhar... só o passaram a fazer, quando para lá foram os europeus... agora querem continuar a viver à nossa custa?
Portugal, os europeus no geral, aceitam ajudar os povos atrasados até certo ponto..., depois acabou-se a "mama", pois a chulice é inaceitável e faz mal!

Mr.Tuga 14.02.2017

ANEDOTICO!

O ROTO tugaL FALIDO a perdoar ao NU....

Anónimo 14.02.2017

Não sei se a foto é intencional! É que pode-se concluir que há 3 pavões na fotografia.

ver mais comentários
pub