Empresas Calçado seduz jovens com campanha sexy

Calçado seduz jovens com campanha sexy

“Feeling sexy - Vem pertencer à indústria mais sexy da Europa” é o “slogan” da campanha que a associação portuguesa de calçado está a promover nas escolas e redes sociais. Objectivo: “Captar uma nova geração de talentos" para esta indústria.
Calçado seduz jovens com campanha sexy
Nova campanha da associação portuguesa de calçado (APICCAPS) visa "captar uma nova geração de talentos" para esta indústria.
Rui Neves 06 de junho de 2017 às 11:14

A 5 de Maio passado, aquando da sua tomada de posse como presidente da associação portuguesa de calçado (APICCAPS), Luís Onofre elencou uma série de acções que pretende executar no seu mandato de três anos, sendo que "a primeira é a necessidade urgente de promover a captação de jovens para todas as funções desde a produção propriamente dita, passando pela concepção e o design, até à comercialização e o marketing".

 

Nesse sentido, prosseguiu o novo patrão dos patrões do calçado, "merece particular relevo uma campanha de divulgação do sector nas regiões de implantação da indústria", onde a APICCAPS irá "procurar transmitir as excelentes oportunidades de trabalho que se oferecem" nesta indústria, classificada por Onofre como "dinâmica e com futuro".

 

Um mês depois, a campanha para "captar uma nova geração de talentos" para esta indústria já está a palmilhar os principais pólos produtivos da fileira do calçado em Portugal.

 

Com o slogan "Feeling Sexy", acompanhado da frase "vem pertencer à indústria mais sexy da Europa", esta nova campanha "assenta num pressuposto claro: a fileira do calçado em Portugal criou mais de nove mil postos de trabalho desde 2010 e, nesse sentido, proporciona oportunidades de carreira para jovens em várias áreas, desde a produção ao design, passando pela logística, novas tecnologias, marketing ou área comercial", enfatiza a APICCAPS, em comunicado.

Numa iniciativa que conta com o apoio dos fundos comunitários do programa Norte 2020, a campanha traduzir-se-á, nas próximas semanas, em acções de rua, nas escolas e nas redes sociais.

 

Trata-se assim da primeira grande medida implementada pelo novo presidente da APICCAPS, que tem como prioridade, no seu mandato de três anos, reforçar as competências técnicas do sector.

 

No domínio da qualificação, para além de atrair jovens qualificados, incentivar a formação e a incorporação de competências de alto valor acrescentado (design, moda, marketing, novas tecnologias, entre outras), Luís Onofre pretende também promover um programa de estágios internacionais, lançar um programa de empreendedorismo e promover uma reformulação inteligente dos programas de formação.

 

"Acresce que os cursos ministrados pela Academia de Design e Calçado, com instalações em S. João da Madeira e em Felgueiras, direccionados às necessidades de mão-de-obra do sector do calçado, têm um grau de empregabilidade muito elevado", sublinha a APICCAPS, acrescentando que "os alunos têm acesso a apoios financeiros para transporte e alimentação e, em muitos casos, a uma bolsa de estudo".

 

No ano passado, as exportações do sector do calçado atingiram os 1,923 mil milhões de euros, o que representou um crescimento de 3,2% face ao ano anterior e de mais de 48% face a 2010.

 

Em sete anos, os produtores portugueses de sapatos aumentaram em 627 milhões as suas exportações. A quase totalidade da produção (95%) é comercializada no exterior. A Europa é o mercado mais relevante, com Espanha, França, Alemanha, Holanda e Reino Unido a liderarem a lista dos principais compradores.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub