Economia Caldeira Cabral considera que a economia portuguesa vive hoje um bom momento

Caldeira Cabral considera que a economia portuguesa vive hoje um bom momento

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, afirmou hoje que a economia portuguesa vive um "bom momento", depois do crescimento da procura interna, da recuperação das exportações e da melhoria da confiança dos consumidores.
Caldeira Cabral considera que a economia portuguesa vive hoje um bom momento
Miguel Baltazar / Negócios
Lusa 09 de fevereiro de 2017 às 16:31

"A economia portuguesa vive hoje um bom momento, um bom momento em termos de crescimento, o PIB [Produto Interno Bruto] cresceu 1,6% no terceiro trimestre, registando um dos melhores crescimentos em cadeia da União Europeia e os dados do quarto trimestre apontam para um crescimento superior a este, portanto, continuamos a ter uma aceleração do crescimento económico que se verificou desde o início de 2016", disse.

 

Na abertura do I Diálogo entre as Indústrias de Defesa de Portugal e do Brasil, no Porto, o governante frisou que as exportações cresceram quase 12% em Dezembro, depois de já terem aumentado perto de 8% em Novembro, estando "claramente" em aceleração.

 

"A economia portuguesa criou mais de 100 mil novos empregos em 2016 o que constituiu, também, um dos maiores movimentos de criação de emprego registado desde 2000", referiu.

 

Caldeira Cabral afiançou que houve ainda um aumento da procura interna e da confiança dos consumidores, considerando que esta boa fase se deve ao Governo PS que tem trabalhado para relançar a economia portuguesa, estando os resultados a aparecer.

 

"Portugal acredita que o desenvolvimento socioeconómico se faz através de uma política de portas abertas, de atracção de investimento estrangeiro, de abertura ao comércio internacional e circulação de pessoas", salientou.

 

O ministro garantiu querer fazer mais e melhor, por isso, está a melhorar o contexto da economia tornando-a mais atractiva ao investimento, relembrando programas como o crédito fiscal ao investimento ou a remuneração de capital convencional.

 

"Estamos ainda a desenvolver políticas ao nível da inovação que visam colocar Portugal na frente da nova revolução digital", relembrou, considerando que "a indústria da defesa não faz hoje sentido sem inovação".

 

Caldeira Cabral destacou também a "excelente" parceria entre Portugal e Brasil, nomeadamente na área da aeronáutica, referindo-se à construção do avião militar KC-390, projecto que incorpora engenharia portuguesa.

 

Os países europeus estão a reforçar o seu papel na defesa, por isso, estar dentro deste mercado poderá ser um factor diferenciador, entendeu. 




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Conselheiro de Trump 09.02.2017

Tudo bem:economia a crescer,menos desemprego,melhores salarios,melhores pensoes,melhor educacao escolar,mais uns troquitos pras reliquias,todo somado,DIVIDA CADA VEZ MAIS INSUPORTAVEL.Nao seria muito melhor tudo ao contrario para a divida descer?Tenho visto jornalecos na tv a falar disto,metem nojo.

Conselheiro de Trump 09.02.2017

NAo foi o anao subvencionista q disse q este sujeito ia sair pela porta do cavalo ja este ano?Foi hoje noticia q Alemanha exportou no ano findo 1.207.000.000.000 de euros,com filho de pucra:a carrada de pneus que para aqui vai,pagava 2 vezes a divida portug.e ainda sobrava para fazer 1 novo aeroport

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub