União Europeia Caldeira Cabral: Críticas de Schäuble a Portugal são "irresponsáveis"

Caldeira Cabral: Críticas de Schäuble a Portugal são "irresponsáveis"

Em entrevista ao jornal alemão Handelsblatt, o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, diz que as críticas do ministro das Finanças da Alemanha desestabilizam a União Europeia.
Caldeira Cabral: Críticas de Schäuble a Portugal são "irresponsáveis"
Bruno simão
Negócios 07 de Novembro de 2016 às 20:57

Manuel Caldeira Cabral considera que as críticas do ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, em relação à política económica do Governo português, são "irresponsáveis".

 

Em entrevista ao Handelsblatt, o ministro português da Economia diz ainda que os comentários de Schäuble e do presidente do Mecanismo Europeu de Estabilidade, Klaus Regling – que no passado dia 27 de Outubro disse que a reversão de cortes na função pública em Portugal "deve ser vista com preocupação" – podem "pagar um preço elevado, não apenas nos países criticados mas também nos seus próprios países, uma vez que desestabilizam a Europa".

O Handesblatt promove a entrevista a Caldeira Cabral, dizendo que o ministro português da Economia defende a posição de saída da austeridade por parte do seu Governo. "Caldeira Cabral afirma que o governo socialista capitalizou os bancos do país e que está a caminho de reduzir o défice orçamental de 3,1% para 2,4% do PIB, a maior descida numa década", refere o jornal alemão.

 

"A melhor garantia que podemos dar aos investidores é a consolidação das finanças públicas. Nós conseguimos isso", salienta Caldeira Cabral nesta entrevista.

 

E "ataca" quem aponta o dedo ao país: "os representantes de instituições europeias e de outros governos da União Europeia devem cuidar dos seus próprios problemas, em vez de passarem o tempo a criticar-nos".

 

O ministro da Economia refere ainda, na mesma entrevista, que a especulação em torno da necessidade de Portugal poder vir a precisar de um segundo resgate "está longe da realidade".

Schäuble, recorde-se, afirmou no passado dia 26 de Outubro que Portugal ia no bom caminho até mudar de Governo. As reacções não se fizeram esperar e o primeiro-ministro, António Costa, respondeu que só costuma dar atenção a alemães que conhecem Portugal.

 

Já Regling chamou a atenção para a necessidade de Portugal não inverter o rumo das reformas económicas, nomeadamente pelo prejuízo que isso pode ter na competitividade do país, recorrendo à reversão nos cortes dos salários dos funcionários públicos como exemplo.




A sua opinião19
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Luis Há 1 dia

O coxo houve as imbecilidades do Bruxo de Massa Má e as imbecilidades da sopeira Marilu e como acredita nos seus adorados servidores debita por sua vez também asneiras.

pertinaz Há 2 dias

ESTAS CIGARRAS PREGUIÇOSAS E INCOMPETENTES NÃO PASSAM DE TONTOS

EM VEZ DE CRITICAR O MINISTRO ALEMÃO TRATEM DE MOSTRAR QUE ELE ESTÁ ERRADO

O PIOR É QUE NÃO ESTÁ ERRADO

VAMOS A CAMINHO DO ABISMO

Josefa Martins Há 2 dias

Irresponsáveis são os nossos governantes que nos atolam em dívidas e juros altíssimos!!!!! Cambada de chorões! ??????????

Antonio Sousa Há 2 dias

Irresponsável é este otario!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub