Economia Caldeira Cabral: Há sinais de que economia cresceu acima de 2,8% no segundo trimestre

Caldeira Cabral: Há sinais de que economia cresceu acima de 2,8% no segundo trimestre

"É bom" para o país que as instituições internacionais "continuem a rever em alta o crescimento económico, o emprego, o investimento e as exportações", disse o ministro da Economia.
Caldeira Cabral: Há sinais de que economia cresceu acima de 2,8% no segundo trimestre
Negócios com Lusa 25 de julho de 2017 às 20:23

O ministro da Economia afirmou hoje que o crescimento da economia portuguesa está a superar as expectativas nacionais e internacionais, prevendo que a tendência se mantenha, e que o país supere a previsão do Orçamento do Estado.

 

"Quando todas as instituições internacionais estão a rever o crescimento em alta, isso significa que estamos, de facto, a superar as espectativas, não só das instituições nacionais, mas as espectativas das instituições internacionais, antes de perceberem os resultados da política que estamos a desenvolver", disse Manuel Caldeira Cabral.

 

O ministro falava aos jornalistas após a inauguração, em Paredes, das novas instalações do grupo industrial "Laskasas", do sector do mobiliário, que emprega 185 trabalhadores e que em 2016 facturou nove milhões de euros.

 

Elogiando os resultados daquela unidade industrial, nomeadamente os ganhos na exportação de mobiliário, o membro do Governo frisou que as pequenas e médias indústrias do Norte do país têm dado um contributo significativo na aceleração da economia portuguesa e na criação de emprego.

 

"Neste momento estamos com um crescimento, no primeiro trimestre, de 2,8%, e há alguns sinais de que o segundo trimestre possa ter um crescimento superior a esse. Ao longo do ano vamos superar a meta que está em OE", acrescentou o ministro.

 

O INE revelou em Maio que o PIB português cresceu 2,8% no primeiro trimestre de 2017, comparativamente com igual período do ano passado, o que representa a melhor variação homóloga em praticamente 10 anos. Os valores do segundo trimestre vão ser conhecidos em meados de Agosto, sendo que recentemente o ISEG antecipou que a o crescimento vai manter-se em 2,8% no segundo trimestre.

 

Para o ministro da Economia, que estava acompanhado da secretária de Estado da Indústria, Ana Teresa Lehmann, "é bom" para o país que as instituições internacionais "continuem a rever em alta o crescimento económico, o emprego, o investimento e as exportações".

 

Antes, o presidente da Câmara de Paredes, Celso Ferreira, tinha assinalado o mérito daquele grupo empresarial e o contributo que deu na melhoria dos indicadores de desemprego no concelho, que baixou de 23,5%, em 2013, para os atuais 9,1%.

 

Paredes é o maior produtor nacional de mobiliário, concentrando dezenas das maiores empresas portuguesas do sector.

 

As instalações hoje inauguradas em Rebordosa, Paredes, pertencem à empresa "Domkapa", que se dedica ao fabrico de estofos, e está integrada no grupo "Laskasas".

 

Desde 2014, fruto da aposta no mercado internacional, as exportações do grupo aumentaram 175%.




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
oluapaxe 26.07.2017

Errado, se existir um sismo a culpa é de passo, do rodinhas, do trump, da trovoada seca pois só dá a cara pelo que é bom!

Para Oluapaxe 25.07.2017

Se amanhã houver um sismo em Lisboa o Oluapaxe vira colar-se a afirmar que foi o Costa o causador.

Anónimo 25.07.2017

Só a taxa de poupança e o poder de compra das famílias portuguesas é que não crescem! Mistérios!

oluapaxe 25.07.2017

Ó senhor ministro que parte dos 2.8% pertence ao estado resultante do ENORME investimento feito pelo estado?
Não vale apena responder é ZERO o valor apresentado é da responsabilidade dos privados e lá está o governa a colar-se.
Se amanhã chover o costa vira colar-se a afirmar que os incendio se apagaram por sua causa.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub