Economia Caldeira Cabral: Linhas de crédito do programa Capitalizar "praticamente esgotadas"

Caldeira Cabral: Linhas de crédito do programa Capitalizar "praticamente esgotadas"

O ministro da Economia, Caldeira Cabral, disse hoje que as linhas de crédito do programa Capitalizar estão "praticamente esgotadas", tendo já sido atribuídas às empresas mais de 80% dos 1600 milhões de euros disponibilizados.
Caldeira Cabral: Linhas de crédito do programa Capitalizar "praticamente esgotadas"
Miguel Baltazar
Lusa 29 de novembro de 2017 às 22:49

"As linhas Capitalizar estão praticamente esgotadas", disse hoje o ministro da Economia, na abertura do Lisbon Financial Forum, em Lisboa.

 

Questionado à margem do evento sobre os valores concretos, Manuel Caldeira Cabral afirmou que dos 1.600 milhões de euros disponibilizados há "já mais de 1.350 milhões de euros atribuídos a empresas".

 

O governante considerou que estes empréstimos são fundamentais para ajudar as empresas a investir, acrescentando que o investimento de empresas privadas está a aumentar 15% este ano.

 

Para o próximo ano, Caldeira Cabral recordou que está previsto no Orçamento do Estado um reforço destes apoios para 2.600 milhões de euros em linhas de financiamento a empresas, com 600 milhões de euros destinados directamente a empresas exportadoras.

 

As linhas ‘Capitalizar' destinam-se a financiar a tesouraria e o investimento de empresas. As pequenas e médias empresas (PME) recorrem às cinco linhas de crédito Capitalizar através dos bancos comerciais.

 

O programa Capitalizar tem actualmente cinco linhas de crédito: micro e pequenas empresas, fundo de maneio, ‘plafond’ de tesouraria, investimento geral e investimentos projectos 2020.

 

As empresas podem financiar-se entre 25 mil e dois milhões de euros e com prazos entre três e 10 anos.

 

O crédito às empresas através do programa Capitalizar tem a vantagem de permitir aceder a crédito com condições mais vantajosas do que as que a banca concede.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub