Finanças Públicas Caldeira Cabral: "Merecemos um rating melhor do que temos"

Caldeira Cabral: "Merecemos um rating melhor do que temos"

O ministro da Economia considera que Portugal “ainda tem muito trabalho a fazer”, mas considera que os “ratings” só podem subir, defendeu Caldeira Cabral à CNBC, à margem da Web Summit.
Caldeira Cabral: "Merecemos um rating melhor do que temos"
Bruno Simão/Negócios
Negócios 08 de Novembro de 2016 às 16:14

Portugal ainda tem muito trabalho pela frente, mas já merecia ter notações de risco superiores, dados os fundamentais da economia. Por isso, a expectativa do Governo é que a pouco e pouco as agências de "rating" subam as notações de risco de Portugal, afirmou terça-feira, 8 de Novembro, Manuel Caldeira Cabral, o ministro da Economia.

"Ainda temos muito trabalho para fazer, mas penso que os nossos fundamentais nos fazem merecer um rating melhor do que temos", afirmou em entrevista ao canal de televisão norte-americano CNBC. "Penso que as perspectivas no médio prazo apontam para que os ratings da maioria das agências subam. Não esperamos que isto aconteça amanhã ou no próximo semestre. Penso que vão permanecer estáveis e no médio prazo subirão", defende.

O ministro da Economia, que falava à margem da Web Summit que está a decorrer em Lisboa, aproveitou para valorizar a mão-de-obra altamente qualificada e com capacidade de falar várias línguas, o que dá vantagens ao país para se afirmar como um centro tecnológico internacional, escreveu a CNBC. 

O responsável evidenciou que a recuperação da economia nacional dever ser confirmada por mais um dado: o crescimento no terceiro trimestre de que deverá apresentar uma "taxa muito interessante", com a economia a beneficiar da expansão do turismo e dos sectores tecnológicos, defendeu.




A sua opinião23
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado José António Santos Há 43 minutos

Melhor!!? Valha-me Deus

comentários mais recentes
Eduardo Nuno Barros Mascarenhas Há 4 semanas

com a pujante economia que temos

Rui Brandão Há 4 semanas

Então? Os alemães concordaram em pagar-nos as contas e não me disseram nada?

Filomena Carnide Crespo Há 4 semanas

Andas a fumar o quê! Acorda.....

Paulo Coelho Há 4 semanas

E um governo também

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub