Conjuntura Caldeira Cabral: Portugal está a crescer e não é só no turismo

Caldeira Cabral: Portugal está a crescer e não é só no turismo

Portugal está a crescer em sectores como a agricultura e software, não apenas do turismo. É a mensagem deixada pelo ministro da Economia, Caldeira Cabral, em entrevista à Bloomberg.
Caldeira Cabral: Portugal está a crescer e não é só no turismo
Negócios com Bloomberg 23 de janeiro de 2018 às 14:41

Portugal está a crescer em diversos sectores, da agricultura ao software, não apenas no turismo, e a atrair potenciais investidores de França e Alemanha à China e à Índia. Foi a mensagem deixada pelo ministro da Economia em entrevista à Bloomberg, à margem do fórum económico mundial de Davos.

O crescimento do turismo é "a história já contada". "Menos conhecido é o facto de estarmos a crescer mais de 20% nas exportações de alguns produtos agrícolas e acima de 15% em produtos do sector automóvel, aeronáutica, mecânica e software", afirmou.

Referindo firmas como a Continental AG, Renault e Mercedes-Benz, Caldeira Cabral afirma que o crescimento se traduz em investimento directo estrangeiro, além da criação de emprego devido ao Brexit.

"Há alguns anos atrás não encontrávamos empregos e estávamos a emigrar para o Reino Unido e a Alemanha; agora são as empresas alemãs e francesas que estão a vir para Portugal e a investir.

Também em entrevista à Bloomberg, em Davos, o ministro português afirmou que por causa do Brexit "estamos a atrair mais serviços partilhados que deslocam parte da actividade para Portugal, isso está a acontecer com o Reino Unido mas também está a acontecer com empresas francesas e alemãs". Apesar de o Brexit não ser um bom movimento para a Europa, "devemos geri-lo de forma a conter os estragos e a garantir que o comércio continua aberto", afirmou.

Questionado pela dívida, a terceira maior na Zona Euro depois da de Grécia e Itália, Cabral afirmou que a redução que se regista é das mais rápidas e que o forte crescimento do país vai ajudar as empresas a reduzir o endividamento e os bancos a reduzir o crédito malparado.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Paspalho, se estão a investir não é por ação deste governo mas sim do anterior e da crise que obrigou o pessoal a ter que se desenrascar.

JOSE Há 4 semanas

24% dos portugueses ganham o salário mínimo nacional.

Anónimo Há 4 semanas

"Há alguns anos atrás não encontrávamos empregos e estávamos a emigrar para o Reino Unido e a Alemanha"...

Isto é que era patético, quando Passos Coelho mandava os jovens emigrar...

Hoje em dia:

"agora são as empresas alemãs e francesas que estão a vir para Portugal e a investir"

a aldeia de TRUMP é relegada para 2 º lugar Há 4 semanas


1 - a FOSUN já comprou a posição da sonangol no BCP 2 - a FOSUN terá de lançar OBRIGATORIAMENTE uma opa ao MILENUM BCP a 1 EURO por AÇÃO 3 - a CHINA torna - se na 1ª POTÊNCIA MUNDIAL através do MILENIUM BCP

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub