Economia Caldeira Cabral: "Temos de construir uma Europa melhor com ou sem o Reino Unido"

Caldeira Cabral: "Temos de construir uma Europa melhor com ou sem o Reino Unido"

O ministro da Economia defende que os dois lados devem chegar a acordo o mais rapidamente possível sobre a livre circulação de bens, de serviços, de capital e de trabalhadores.
Caldeira Cabral: "Temos de construir uma Europa melhor com ou sem o Reino Unido"
Inês Lourenço
André Cabrita-Mendes 20 de outubro de 2017 às 17:05
O Governo defende que a União Europeia e o Reino Unido devem chegar rapidamente a acordo em relação a questões fundamentais do Brexit. Manuel Caldeira Cabral defende que é preciso criar confiança aos cidadãos britânicos que vivem nos restantes países da União Europeia e aos cidadãos dos 27 que vivem no Reino Unido, assim como ao sector empresarial.

"Em vez de conversas ou de declarações pomposas, temos de ser responsáveis e começar a negociar, este é o momento para negociar e de ser sério nas negociações", disse o ministro da Economia esta sexta-feira, 20 de Outubro, em entrevista à televisão CNBC.

Manuel Caldeira Cabral defende que os dois lados devem chegar a acordo o mais rapidamente possível sobre as chamadas quatro liberdades económicas, a livre circulação de bens, de serviços, de capital e de trabalhadores.

"É muito importante alcançar um primeira acordo sobre isto rapidamente para criar confianças aos cidadãos e empresas", defendeu.

O ministro relembrou a "boa relação comercial" entre Portugal e o Reino Unido assim como a histórica aliança entre os dois países que remonta ao século XIV,  mas neste momento defende que é preciso ser pragmático na abordagem à saída do Reino Unido da União Europeia.

"O Reino Unido sempre teve um papel construtivo dentro da Europa e estava a contribuir para uma melhor Europa. Temos de construir uma Europa melhor com ou sem o Reino Unido", afirmou.

Olhando para Portugal, os jornalistas questionaram o ministro sobre se o Governo se preparava para aumentar o investimento público neste momento de crescimento económico.

Em resposta, Manuel Caldeira Cabral respondeu que o Governo não vai usar o "crescimento económico para acelerar o investimento público. Pelo contrário, o crescimento esta a ser sustentado pelas exportações e investimento e estamos a reduzir o défice a níveis recorde baixos", apontando que o Governo também quer reduzir o endividamento público para 120% do PIB.

O ministro da Economia sublinhou que Portugal é a "segunda economia europeia a criar mais empregos", registando um aumento de 10% no investimento e de 12% nas exportações.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 1 dia

O pequenote alface fresca disse tempos idos que este catalogue nao ficaria muito tempo na inutilidade gerigoncal,resta-me dizer que nem se dar por ela.

pub