Obrigações Câmara de compensação de Nova Iorque suspende operações com títulos venezuelanos

Câmara de compensação de Nova Iorque suspende operações com títulos venezuelanos

A câmara de compensação bancária de Nova Iorque anunciou na quarta-feira a suspensão dos serviços de liquidação de títulos de dívida da Venezuela, incluindo os da Petróleos da Venezuela SA (PDVSA).
Câmara de compensação de Nova Iorque suspende operações com títulos venezuelanos
Reuters
Lusa 31 de agosto de 2017 às 07:24
A New York Clearing House Association, uma das maiores câmara de compensação bancária dos Estados Unidos, explicou que a medida obedece a uma ordem executiva da Administração do Presidente norte-americano, na sequência da imposição de sanções económicas e financeiras à Venezuela, na passada sexta-feira, incluindo a proibição de comprar novas obrigações emitidas por Caracas ou pela PDVSA.

De acordo com a imprensa norte-americana, a Depository Trust & Clearing Corp., outra importante casa de compensação de valores dos Estados Unidos, que processa milhares de milhões de dólares em transacções diárias, também anunciou que vai liquidar as operações com obrigações venezuelanas, o que considerou "o último golpe para os investidores".

Para o canal norte-americano Fox Business, a medida "mostra uma consciência crescente do risco de negociar estes valores" com a Venezuela, o que levou "alguns importantes actores institucionais" a sair deste mercado.

A dificuldade em encontrar compradores está a "causar preocupações" entre os detentores de obrigações, acrescentou.

A Fox Business explicou que a maioria das operações passa por casas de compensação com sede na Europa, incluindo a Euroclear em Bruxelas, e a Clearstream no Luxemburgo, mas a decisão da Depository Trust & Clearing Corp pode levar outras firmas a tomar uma decisão idêntica.

A Europa não impôs as mesmas restrições para a Venezuela, mas o Departamento do Tesouro norte-americano advertiu também as transacções indirectas de títulos venezuelanos, através dos mercados europeus, estariam a violar as sanções.

Na sexta-feira, a Casa Branca anunciou novas sanções financeiras à Venezuela, entre as quais a proibição de comprar novas obrigações emitidas pelo Estado venezuelano ou pela companhia petrolífera estatal.

"Não ficaremos imóveis perante o desmoronamento da Venezuela (...) Os Estados Unidos reiteram o apelo à Venezuela para restaurar a democracia, organizar eleições livres e justas, libertar imediata e incondicionalmente todos os presos políticos e pôr fim à repressão do povo venezuelano", acrescentou a Casa Branca, no mesmo comunicado. 



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub