Autarquias Câmara de Famalicão investe dois milhões em acessos após ameaça da Continental

Câmara de Famalicão investe dois milhões em acessos após ameaça da Continental

Após anos e anos de promessas de que iriam ser construídos novos acessos à fábrica de Lousado, em Famalicão, a Continental deu um murro na mesa: sem eles não há novos investimentos. Dias depois, a câmara de Famalicão e a IP protocolaram a obra.
Câmara de Famalicão investe dois milhões em acessos após ameaça da Continental
Bruno Simões 09 de outubro de 2017 às 19:20

A Continental Mabor ameaçou que a casa-mãe travaria novos investimentos na fábrica de Lousado, em Famalicão, caso não fossem construídos novos acessos. E pouco depois de o gestor da Continental Mabor ter colocado publicamente o dedo na ferida, parece haver fumo branco na obra: logo no final do passado mês de Setembro, a câmara de Famalicão e a Infraestruturas e Portugal protocolaram a empreitada e ela deve estar pronta dentro de dois anos, informou o município esta segunda-feira.

 

A nova via vai ligar a Estrada Nacional 14 à Zona Industrial de Lousado, precisamente onde se localiza a fábrica da Continental. Actualmente, depois de sair da via principal, o acesso à fábrica do gigante alemão dos pneus, que no ano passado facturou 830 milhões de euros e gerou lucros de 226 milhões, é feito através de pequenas vias secundárias, um enorme desafio para os camiões que entram e saem incessantemente das instalações.

 
A empreitada inclui a construção de uma nova rotunda 600 metros abaixo da actual rotunda do Lago Discount, no lugar de Santana, na vizinha vila de Ribeirão. Daí sairá uma nova estrada que fará ligação directa à fábrica da Continental Mabor, numa extensão de cerca de um quilómetro. A construção da rotunda ficará a cargo da Infraestruturas de Portugal, que assumirá ainda a construção da "passagem hidráulica sobre o ribeiro de Ferreiros", que fará a ligação entre a EN 14 e a nova artéria a construir pelo município, o que deverá representar um investimento de 600 mil euros.

 

A nova estrada que sairá dessa rotunda em direcção à Continental Mabor ficará nas mãos da câmara de Famalicão. A autarquia será "dona da empreitada" e irá desenvolver "o projecto respectivo, adquirindo os terrenos necessários para a sua execução, lançando e executando a empreitada de obra pública e suportando os encargos decorrentes da iluminação pública, num investimento previsível de dois milhões de euros".

 

Em entrevista ao Eco, no final de Setembro, o director-geral da empresa, Pedro Carreira, não deixou margem para dúvidas: "Futuros investimentos nesta empresa estão dependentes claramente de acessos à fábrica que têm que ser garantidos". O gestor confessava que a casa-mãe tinha esgotado a paciência, depois de diversas promessas sem qualquer concretização no terreno.

Desta vez, promete a câmara, as obras para a construção deste novo acesso "arrancarão em breve" e "deverão ficar concluídas até Dezembro de 2019". A Continental Mabor é a quarta maior exportadora portuguesa e Vila Nova de Famalicão é o terceiro município mais exportador do país.

Quatro vias até à auto-estrada, mas ainda falta acesso directo

 

Esta fase da obra surge depois de o município já ter anunciado a duplicação para quatro vias da Estrada Nacional 14 entre a rotunda sul da Variante Nascente de Famalicão (onde se faz o acesso às auto-estradas A7 e A3) e a rotunda do Lago Discount. O restante percurso – os referidos 600 metros até à nova rotunda no lugar de Santana – será alvo de uma beneficiação, uma vez que aí a estrada tem duas vias no sentido ascendente e uma no descendente.

 

A abertura do concurso público dessa empreitada, aliás, foi anunciada no início de Setembro, quando foi inaugurada a nova unidade de produção de pneus radiais agrícolas.

 

A nova estrada, contudo, não resolve todos os problemas da Continental Mabor, que pretendia aceder de forma directa à A3. Para isso acontecer é necessário construir uma via que atravesse o Rio Ave e tenha ligação ao nó da Trofa. A concretização dessa fase da obra não foi anunciada. Com a solução hoje apresentada, a empresa continuará a ter de aceder à auto-estrada no nó de Famalicão, o que implica fazer cerca de 12 quilómetros adicionais após a saída da fábrica.

 

No referido comunicado, a câmara de Famalicão garante que os responsáveis da Continental Mabor mostraram "satisfação" com este novo acesso, tendo o presidente do município, Paulo Cunha, sublinhado que a "celebração deste protocolo é uma excelente notícia para Vila Nova de Famalicão mas também para o país".




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Só acossados é que os azeiteiros fazem alguma coisa de jeito.

Anónimo Há 1 semana

Não consigo perceber estes investimentos. Se um acesso direto à autoestrada ficava mais barato e causava menos transtorno em toda a população. Pois expropriações de terrenos, aproximar estradas das casas já feitas, mais movimento, mais poluição, mais barulho, para beneficiar uma multinacional

Neves Há 1 semana

Burros, se não gostam peguem na merda da fabriqueta e desapareçam daqui. A isto chama-se dinheiro mal gasto.

Mr.Tuga Há 1 semana

Bem visto!
Enquanto estes investem em infra-estruturas para reter multinacionais, os xuxas despejam guita nos FP do OBESO "estado?!"....

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub