Autarquias Câmara de Lisboa assinala hoje início de obras da nova Feira Popular

Câmara de Lisboa assinala hoje início de obras da nova Feira Popular

Numa cerimónia que contou com a presença de Fernando Medina a câmara municipal de Lisboa assinalou esta quinta-feira o início das obras da nova Feira Popular, em Carnide.
Câmara de Lisboa assinala hoje início de obras da nova Feira Popular
Lusa 03 de Novembro de 2016 às 12:27
A Câmara de Lisboa assinalou na manhã desta quinta-feira, 3 de Novembro, o arranque das obras da nova Feira Popular, em Carnide, espaço que pretende que seja um "parque verde de fruição de todos e das famílias". A cerimónia decorreu junto à saída do Metropolitano da Pontinha e contou com a presença do presidente do município, Fernando Medina.

A Associação Portuguesa de Empresas de Diversão, que agendou para este mês iniciativas de protesto, em defesa da "sustentabilidade da actividade", anunciou que irá estar presente no arranque das obras.

Falando na semana passada no debate anual sobre o estado da cidade, promovido pela Assembleia Municipal de Lisboa, Fernando Medina anunciou que as obras de construção da Feira Popular" iriam iniciar-se "através das demolições das construções que ali se encontram".

Numa resposta escrita enviada à agência Lusa, o município precisa que em causa estão cinco construções, "uma antiga carpintaria e anexos", e adianta que estes trabalhos de demolição "deverão decorrer durante cerca de um mês".

Segue-se a "remoção dos escombros e, posteriormente, a limpeza do terreno", para na fase seguinte se realizar "a construção das acessibilidades e estacionamento".

Questionada sobre eventuais implicações no trânsito, a autarquia explica que "pontualmente haverá necessidade de desvios e condicionamentos necessários aos trabalhos de construção das acessibilidades e estacionamento", mas garante que, nesta fase inicial, isso não se coloca.

A Feira Popular de Lisboa foi criada em 1943 para financiar férias de crianças carenciadas e, mais tarde, passou a financiar toda a acção social da fundação O Século.

Antes de Entrecampos, onde fechou em 2003, a feira funcionou em Palhavã.

No final do ano passado, mais de 12 anos depois do encerramento, a autarquia anunciou que a Feira Popular iria voltar, inserida num parque urbano de 20 hectares em Carnide.

Com os protestos anunciados, a Associação Portuguesa de Empresas de Diversão (APED) pretende mostrar que "está em causa a actividade dos carrosséis itinerantes".

De acordo com o presidente da APED, Luís Paulo Fernandes, há "três ou quatro anos" que estes empresários têm vindo a ser pacientes, com os governantes a pedirem confiança e dando como justificação para os atrasos na regulamentação do sector "primeiro a troika e depois os governos instáveis".

Desde 2013 que estes empresários reivindicam a aplicação da resolução 80/2013, aprovada por todos os partidos políticos no parlamento e publicada em Diário da República.

O documento "recomenda ao Governo o estudo e a tomada de medidas específicas de apoio à sustentabilidade e valorização da actividade das empresas itinerantes de diversão".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub