Autarquias Câmara de Lisboa espalha cartazes com mensagem anti-Trump

Câmara de Lisboa espalha cartazes com mensagem anti-Trump

Um dia depois da eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos, a câmara de Lisboa espalhou cartazes pela zona do Parque das Nações, onde decorre o Web Summit, em que reafirma a sua capacidade de acolher bem quem vem de fora.
Câmara de Lisboa espalha cartazes com mensagem anti-Trump
Miguel Baltazar / Negócios
Bruno Simões 10 de Novembro de 2016 às 11:49
"No mundo livre, ainda podes encontrar uma cidade para viver, investir e construir o teu futuro. Construindo pontes e não muros". Foi esta frase, em inglês, que a câmara de Lisboa decidiu espalhar pelo Parque das Nações, onde decorre o Web Summit, para reafirmar que, ao contrário do presidente eleito dos Estados Unidos, a cidade se mantém aberta e acolhe bem toda a gente.

Uma das principais propostas eleitorais de Donald Trump é construir um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México.

A autarquia colocou 25 mupis e três grandes telas na zona do Parque das Nações, onde estão reunidas dezenas de milhares de pessoas que participam no Web Summit. Segundo fonte oficial da câmara de Lisboa, o cartaz surge em reacção à eleição de Trump, mas pretende responder ao que "está a acontecer um pouco por todo o mundo", incluindo o Brexit. "O objectivo é dizer a empreendedores e investidores que Lisboa se mantém uma cidade aberta e que acolhe bem toda a gente", remata.

A campanha também chegou à internet.
A abertura e tolerância da cidade de Lisboa tem sido um dos activos que Fernando Medina mais tem "vendido". Em entrevista ao Negócios, ainda antes de Trump ser eleito, o presidente da câmara de Lisboa disse que esse é um das principais pontos fortes da cidade. "Há um aspecto que vai encantar todos os que aqui chegam, vai ser uma mensagem muito forte da cidade de Lisboa: é que nós recebemos bem quem nos procura e vem de fora. Acolhemos bem a diferença, respeitamo-la e vivemos bem com ela", descreveu.

Esse é um aspecto importante, porque o mundo já não é assim, afirmou então. "Nós julgávamos, na nossa geração, que o mundo era todo assim, e o mundo hoje já não é assim. Em muitos sítios, discutem-se muros, fronteiras, restrições à imigração", realçou, numa referência a Donald Trump e ao facto de vários países estarem a impedir a entrada de refugiados e imigrantes.

Os cartazes que foram colocados apresentavam uma gralha ("brigdes" em vez de "bridges", na referência às pontes), mas a autarquia já está a substituí-los.


"Há uma certa cultura de intolerância face ao outro e face àquele que vem de um país distinto, é uma cultura que se está a instalar em vários espaços e é uma cultura profundamente inimiga da inovação", lamentou, até porque "a ideia anti-imigração é o primeiro inimigo da inovação".

Lisboa distingue-se: "É o inverso disto, nós dizemos a todos: sejam bem-vindos. Venham, fiquem cá. Venham visitar e conhecer as nossas instituições, venham conhecer os portugueses, construam cá as vossas empresas".




A sua opinião69
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Fabio Moreira Há 41 minutos

vergonha esses cartazes serem pagos com dinheiro publico! mau perder da esquerda caviar! para sermos tolerados temos primeiro que tolerar os outros e a opinião dos outros seja esquerda, direita, centro!!! mesmo como medida de marketing e publicidade, ou já voltamos todos a ser charlie a vontade?

comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

Este moete de merrda nem eleito foi para o cargo que ocupa,nem abriu o bico quando o meio amarelado d.branca pomou o poder a forca.O Trump esta la por merito proprio.

Português Há 4 semanas

Está enganado o Merdina. Não sou pela presença de imigrantes, nem de turistas, nos moldes em que estão a enxamear Lisboa. O Merdina falou mas não em meu nome. O Merdina é pago para limpar a bosta dos passeios e não os atravancar com esplanadas. O cartaz é a cara do Merdina e da "esquerda" oportunist

Anónimo Há 4 semanas

Não simpatizo com o que Trump apregoa. Mas o povo é soberano e não podem condenar quem democraticamente foi eleito e ganhou. Rídiculo!

Palermas Há 4 semanas

Os Xuxxas no seu melhor.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub